ISTAMBUL - TURQUIA

Choose the Language ↓ Escolha o Idioma

EnglishFrenchGermanSpainItalianDutch
RussianPortugueseJapaneseKoreanArabicChinese Simplified
 
 

 

Minha primeira viagem sozinha à um país muçulmano!

Istambul era a antiga Constantinopla, capital do Império Romano, do Império Bizantino, do Império Latino e, após a tomada pelos turcos, do Império Otomano. Ou seja, uma cidade poderosíssima e cheia de história.

Minha chegada à Istambul foi alucinante. Tinha tanta coisa pra olhar! Era muita informação visual. Era muita curiosidade que eu tinha. 

Em Istambul fica o Estreito de Bósforo, onde a Europa se encontra com a Ásia. É uma cidade que não dá pra se sentir "só na Europa" ou "só na Ásia". Tudo é tão mesclado, que não dá pra separar. Digo isso em relação à tudo: costumes, cultura, povo, comida, música, tudo mesmo. É uma cidade grande como São Paulo, agitada e com o mesmo stress do dia à dia. Mas ao mesmo tempo tem aquele lado muçulmano, misterioso e mágico, que faz a gente se sentir fora da realidade. É como se a gente estivesse num filme mesmo. É até difícil de explicar. 

Assim que cheguei, deixei minhas coisas no hotel, e fui logo conhecer a tão famosa Mesquita Azul.

 

Sultan Ahmet, a Mesquita Azul

Istambul Turquia uma mulher sozinha viajando por um país muçulmano Blog da Ana Cassiano anacassiano.com.br Mesquita Azul

Meu hotel ficava perto da Mesquita Azul. Eu ficava sentava nos bancos de madeira que ficam em frente à Mesquita, só pra observar o movimento.

A mesquita é muito grande e tem um pátio interno bem bonito.

Para entrar, tem que tirar os sapatos e cobrir a cabeça com um lenço.

O teto da mesquita é maravilhoso e impressionante.

A Mesquita Azul tem esse nome por causa dos ornamentos azuis no teto. Mas não são muitos! Por dentro, ela é mais dourada do que azul.

 Eu escrevi um post mostrando detalhes da Mesquita Azul, mostrando como ela é por fora e por dentro. Para ler, clique AQUI   

Assista o video abaixo:

 

Santa Sofia

Santa Sofia Istambul Blog da Ana Cassiano anacassiano.com.br

A história da Santa Sofia é incrível! Já foi Igreja Católica Ortodoxa, depois virou Mesquita. Mais tarde tornou-se um Museu e agora recentemente voltou a ser uma Mesquita novamente.

Em 2020 a Santa Sofia voltou a ser Mesquita. Veja as consequências disso, Leia AQUI

Projetada por um médico e um matemático, a arquitetura da Santa Sofia foi revolucionária na época. Uma obra-prima!

O nome Santa Sofia significa "Sagrada Sabedoria”. A basílica foi construída no ano 537, quando o Imperador Bizantino Justiniano mandou construir um imponente edifício para servir de Catedral de Constantinopla (atualmente Istambul). Assim, a Santa Sofia serviu de sede da Igreja Católica Ortodoxa por quase mil anos. 

Foi quando, em 1453, o Sultão Mehmet conquistou a cidade de Constantinopla e mandou converter a então catedral em Mesquita. Diversas características islâmicas foram adicionadas à Santa Sofia e ela virou local de orações muçulmanas. Permaneceu assim por quase 500 anos. 

A Santa Sofia permaneceu como mesquita até 1935, quando o então presidente da Turquia a transformou em Museu. O prédio foi todo restaurado e aberto à visitação pública. Uma beleza!

A parte mais sensacional da visita é quando chegamos perto das cúpulas do teto. Elas são de tirar o fôlego, cercadas por colunas de mármore e mosaicos maravilhosos.

Nos fascina os desenhos no teto amarelo, originais do século 6 com seus motivos florais e geométricos. Lindo Lindo Lindo! Que lugar!

Estando no interior da Santa Sofia (que tem cara de mesquita), a gente identifica claramente as referências católicas de quando ela era uma catedral ortodoxa. É muito interessante ver características de religiões tão conflitantes todas juntas num mesmo lugar. Imagine uma mesquita islâmica com altar católico e pinturas de santos no teto? Uma loucura maravilhosa!

Para ler tudo com mais detalhes sobre a Santa Sofia clique AQUI

 

Praça do Hipódromo de Constantinopla

Essa praça fica entre a Mesquita Azul e a Santa Sofia. Nela tem 3 importantes obeliscos que mostram a importância histórica de Istambul: 

  • A Coluna de Cosntantino, que data do século 10; 

  • Um monumento em espiral formado por três serpentes decapitadas, cujas cabeças estão no museu arqueológico de Istambul; 

  • e o Obelisco de Theodosius, decorado com hieróglifos egípcios, que tem mais de 3500 anos de idade. 

Na praça também fica a Fonte Alemã, que é tipo um coreto com um teto lindo, cheio de torneiras douradas ao redor. A fonte foi um presente do Imperador alemão Wilhelm II ao sultão Abdulhamid em 1898. Alemanha e Turquia foram grandes aliados políticos até o fim da primeira guerra.

 

As 5 orações diárias dos muçulmanos

As mesquitas possuem torres (ou minaretes) cheios de auto-falantes, cuja função é fazer chegar mais facilmente aos fiéis a voz do Muezim (encarregado, no Islã) que chama os fiéis para as cinco orações diárias. 

O chamamento consiste em proferir frases do tipo “Allah hu Akbar” (Alá é grande) e outras frases religiosas, em forma de melodia. Os muçulmanos que podem parar o que estão fazendo no momento, se ajoelham na direção de Meca, e oram. Cada chamamento das mesquitas dura uns 25 minutos! Imagine isso 5 vezes ao dia, e todas as mesquitas ao mesmo tempo!

Voltei dessa viagem entendendo e respeitando a cultura muçulmana ainda mais. Tanto que pesquisei e escrevi um post sobre isso. Para ler sobre a religião muçulmana e saber o porquê das 5 orações diárias, clique AQUI 

Assista o video abaixo onde mostro como é a cantoria das mesquitas:

 

Cisterna da Basílica

Preço: 20 Liras Turcas (cerca de 14 Reais)

(Yerebatan Sarnici) Em frente a Santa Sofia fica a entrada da Cisterna Subterrânea. A Cisterna da Basílica é um lugar bem interessante que fica abaixo do solo, construída no ano 532 depois de Cristo. 

O subsolo de Istambul é repleto de Cisternas subterrâneas usadas pelos romanos para estocar água e abastecer os palácios. No passado servia como reservatório de água segura pra beber, pois naquela época, muita gente morria envenenada. 

Quando Constantinopla foi conquistada pelos Otomanos, as cisternas continuaram sendo utilizadas até o final da construção de um sistema de Aquedutos, que garantia água muito mais fresca que a água armazenada no subsolo. As Cisternas foram abandonadas e passaram anos esquecidas. 

Anos depois, parte delas foi encontrada por arqueólogos, e foram transformadas em museu. Hoje, é um grande vão sustentado por várias pilastras de mármore, iluminadas uma por uma, num interessante jogo de luz. 

 Dá pra imaginar como uma galeria dessas foi construída há mais de 1500 anos atrás?


Lá dentro fica tocando uma música clássica bem baixinho e tem o barulho de umas goteiras também, e tudo isso junto cria o maior clima. É realmente uma sensação bastante peculiar do lugar. 

Hoje tem pouca água, o suficiente pra ficar nadando uns peixes e para o povo jogar moedas e fazer pedidos (coisas de turista).

O mais interessante da Cisterna (e que ninguém sabe explicar o porquê) é que na base de uma das principais pilastras de sustentação tem uma medusa de cabeça pra baixo. E justamente por ser um enigma, é o canto mais famoso da Cisterna, onde todo mundo fica mais tempo tirando fotos. 

 

Torre de Gálata

Preço: 25 Liras Turcas (cerca de 17 Reais)

Toda cidade tem um mirante né? Em Istambul é a Torre de Gálata. Ela fica no alto de uma colina à 140 metros do nível do mar. A torre se destaca na paisagem do morro. Um programa e tanto! Tem que ir!

Para chegar lá, a gente tem que subir à pé uma ladeira com ruas bem estreitas e típicas, até chegar aos pés da torre.

Fiquei feliz em saber que para ir ao topo, tem elevador! 

Lá no alto, tem um belo restaurante.

A vista lá de cima é incrível. A gente pode andar ao redor da torre toda e assim ter uma visão 360 da cidade. 

Suba para ver o pôr-do-sol!

Assista o video abaixo:

 

Estação do Expresso do Oriente

Desci na estação de metrô Sirkeci por acaso. Foi a maior coincidência porque quando descobri onde eu estava, levei o maior susto! Aquela estação é a parada final do famoso Expresso do Oriente. 

É o trem de luxo que atravessa a Europa inteira, ligando Paris à Istambul. Eu nem achava que esse trem existia de verdade! Pra mim era coisa de filme e da imaginação fértil de Agatha Christie que escreveu o famoso livro do assassinato no trem. Mas e não é que o Expresso do Oriente existe mesmo?! E eu tava bem ali, na estação final do trajeto dele. 

Coisa mais linda e emocionante do mundo esse comercial do Perfume Chanel Nº5, que acontece no Expresso do Oriente indo para Istambul. Você tem que assistir isso, no video abaixo:

 

Passeio de barco no Estreito de Bósforo

Istambul é a única cidade do mundo que se estende sobre 2 continentes. De um lado fica a Europa e do outro a Ásia, separadas pelo Estreito de Bósforo. Olha que legal essa foto de Istambul. Europa à esquerda, Ásia à direita e o Estreito de Bósforo no meio separando as duas.

Esse estreito é muito importante politicamente porque faz o tráfego marítimo entre os países da antiga União Soviética e o resto do mundo. Lembra quando a professora falava sobre CONSTANTINOPLA? Constantinopla é o lado europeu de Istambul. 

A Ponte Fatih liga os dois continentes. Lógico que é um ponto turístico muito importante pra cidade. No meio da ponte tem uma placa que de um lado diz "Welcome to Ásia" e do outro "Welcome to Europe". 

Muitas pessoas moram num continente e trabalham no outro. Vão e voltam todos os dias de carro ou de barco. 

Existe um passeio turístico de barco pelo Bósforo, para apreciar todas as construções que ficam em ambas as margens. É um passeio bem agradável. 

Um passeio de 90 minutos pelo Bósforo custa 8 Euros por pessoa. Os barcos partem da estação Eminönü do Ferry Boat e saem de 30 em 30 minutos.

Como se não bastasse toda essa importância do Bósforo, às margens dele ficam as construções mais bonitas de Istambul. Palácios, fortalezas, mesquitas, torres e prédios altos e modernos. A paisagem é muito bonita. 

Sem falar que dentro do barco tem um restaurante onde servem um delicioso chá típico turco com biscoitinhos. Foi uma oportunidade deliciosa. 

Enquanto eu tomava meu chá, fiquei de olho no jornal que o homem do lado estava lendo. Na página de esporte, tinha estampado a cara de um jogador brasileiro. A Turquia adora contratar jogadores brasileiros. Quando estive lá, a bola da vez era o Roberto Carlos.

 

Grand Bazaar

E como em todo país oriental, os bazares são lugares sensacionais, diferentes de tudo que já se viu e muito interessantes. Eu já tinha estado no Khan-El-Kalili do Cairo quando fui ao Egito. O "Kapalicarsi" de Istambul é bem parecido. A única diferença é que é todo coberto. O Bazar no Cairo é à céu aberto. 

Estes mercados são muito legais. Enormes, movimentadíssimos, vendem coisas super típicas e ao meu modo de ver são muito engraçados também. Além das lojinhas típicas, a gente encontra mesquitas do lado de saunas turcas, restaurantes, joalherias e bancas de temperos. Tudo junto, lado à lado.

Mesmo que a gente não compre nada (o que eu acho difícil) mas só de andar por lá, já vale o passeio. Esse lenço aí no meu pescoço por exemplo, comprei lá. Lindo, amooo e uso até hoje!

Bem ao lado do Bazaar, fica a Mesquita Süleymaniye (foto abaixo) que é a maior mesquita de Istambul, mas em termos de ornamentos, ela não é tão bonita quanto a Mesquita Azul ou a Santa Sofia. Mas nela tem um belo jardim e uma vista bem legal da Baía de Istambul. Se vc tiver um tempo sobrando, vale à pena dar uma entradinha.

 

Mesquita Nova

(Yeni Cami) A Mesquita Nova também é conhecida como Mesquita da mãe do Sultão pois foi encomendada por Safiye, mãe do Sultão Mehmet III. Eu não entrei nela, mas dizem que é mais bonita que a Mesquita Azul por dentro! 

Para chegar lá, desça na estação Eminonu do metrô. Em frente à Mesquita Nova tem uma praça bem movimentada, perto de um mercado de temperos e especiarias.

 

A região de Taksim / rua Istiklal Caddesi

Na principal rua, a Istiklal Caddesi, não passa carro. É um calçadão imenso, largo e sem fim. Cheio de lojas legais (e ocidentais!) abertas 24 horas por dia! Uma tentação pra quem gosta de compras. 

Na região de Taksim eu pude ver com meus próprios olhos como um país de costumes tão radicais poderia ter a fama de oferecer noitadas animadas ao som da melhor música pop-techno-árabe-eletrônica do mundo. 

Com muitas pessoas andando pra todos os lados, a rua é cheia de restaurante e pubs, com muita música alta tocando. Música boa! E alta! Alta meeeesmo! 

Tem muito turista lógico, gente de toda parte do mundo, mas também tinha muitos turcos (e turcas!)  Siiiiiiiiiiimmmmmm!!!!!!  Elas também saem p se divertir! Primeira grande surpresa minha! Turcos (e turcas!) são mulçumanos mas não estão mortos não! A grande maioria das moças ainda cobre os cabelos com o lenço, mas se vestem absolutamente com nós ocidentais. As burcas são vistas mais nas senhoras. 

Aliás, quero aproveitar a oportunidade pra dizer: COMO ESSES TURCOS GOSTAM DA BANDEIRA DELES! Nunca vi tanta bandeira turca em toda a minha vida! Eles gostam meeeesmo. Em todo canto da cidade tem bandeira! Os turcos são muito nacionalistas. 

 

Ponte Gálata

A Ponte Gálata é a mais importante e movimentada ponte de Istambul. Ela tem dois andares: a parte de cima onde passam os carros e a parte de baixo, só de pedestres e restaurantes típicos de comida barata.

Na parte de cima ficam muitos pescadores com suas varas e anzóis, é até perigoso por causa dos anzóis voadores, porque eles lançam e não estão nem aí pra quem está passando por perto. Então tem que tomar cuidado. É impressionante o número de pescadores que ficam em cima da ponte.

E lá embaixo fica passando barcos, e as linhas de pescar se agarram neles, se arrebentam e toda hora voam anzóis pra todo lado! É uma loucura!

Os homens pescam o peixe e praticamente na hora, o fritam rapidinho, sem tirar os orgãos internos do peixe, numa chapa improvisada que fica alí mesmo. Depois abrem um pão, colocam o peixe dentro com várias outras iguarias. Esse é o famoso "sanduíche de peixe" de Istambul! O cheiro é muito forte e característico. É bem típico e barato. O povo adora. Mas eu não gostei não, principalmente por causa do cheiro. 

Outra especiaria turca é o Kebab ou Dönner (mais conhecido como churrasquinho grego). Ao contrário que muita gente pensa, é super confiável e higiênico. E barato! Então um monte de gente come.

Os restaurantes turcos são na grande maioria à céu aberto. Eles colocam pra fora as mesas e cadeiras, sofás, almofadas e tapetes. Fica um ambiente bem gostoso. 

Bem na entrada do restaurante, tinha uma placa com a foto de um porco riscado com um "X" vermelho. Em país muçulmano, nem pense em pedir carne de porco. É totalmente contra os princípios religiosos deles. Mas como em Istambul tem muito turista, é sempre bom reforçar o aviso.

Eu pedi um prato bem típico, com frios, coalhada e legumes. 

Depois pedi um cafezinho pra arrematar. Os turcos têm o maior orgulho do café deles, que é servido com bastante pó na xícara. Dá a impressão de que não foi coado direito, mas é assim mesmo, de propósito. Quando a gente termina de beber, fica uma borra de pó no fundo da xícara. E dizem que dá pra ler o destino da gente nessa borra de café que sobra.

Nesse dia, jantei pizza turca. Não tem nada à ver com a pizza que conhecemos. Não sei quem colocou nome de pizza naquele troço. Eles usam uns condimentos que fazem o gosto ficar completamente exótico ao nosso paladar. Olha que eu tô usando a palavra "exótico" pra ser legal, hein! Também não gostei, mas isso é uma coisa pessoal. Deve ter gente que gosta.

De qualquer modo, se você estiver cansado de comer coisas "exóticas", aí vai uma dica. Pegue um taxi até o Shopping Kanyon. Lá tem vários restaurantes ocidentais, bem mais parecidos com os que a gente tem costume de comer. Escolhi um italiano, comi pra caramba e fiquei feliz da vida! aloka

 

Autorização do marido para beber

Apesar de estar num restaurante italiano ocidental, uma coisa interessante me aconteceu lá, que não poderia deixar de contar aqui.

Quando pedi um vinho pra acompanhar meu jantar, o garçom me perguntou se eu tinha um "Cartão de Autorização"... HÃ? CARTÃO DE QUÊ? 

Aí ele me explicou que funcionava assim: mulher desacompanhada só pode beber bebida alcoólica se tiver um cartão de autorização dado pelo marido!!! 

(Houve um silêncio breve... acho que pra eu me recuperar do susto...)

Então argumentei que eu era turista, que meu marido não era muçulmano, que ele não se importava que eu bebesse longe dele, falei que tinha cartão (de crédito!) pra pagar, falei que eu era de muuuuito longe (ele nem perguntou de onde) ... mas de nada adiantou. Ele não cedeu. Disse que era uma lei deles e que eu não podia dar mau exemplo. 

AAAAHHH Minha Mãe, essas coisas só acontecem comigo!!! Cartão de autorização do marido pra beber? Era só o que faltava. 

Viajar pra esses lugares muçulmanos, ainda mais SOZINHA, é um barato gente. Poder vivenciar culturas diferentes e costumes locais é muito legal. Eu curto isso demais.

Então, pra não causar confusão, resolvi pedir um suco mesmo. 

Perguntei, "Você tem sucos de quê?" e ele respondeu (num inglês bem ruim) "Só temos suco de Granada Senhora." Até então, eu não sabia nem o que era Granada, foi então que aprendi que Granada é Romã.

Agora imagina só a minha situação, eu ali com aquela vista maravilhosa do Estreito de Bósforo, jantando deliciosamente, depois de um dia mágico em Istambul....... tomando suco de GRA-NA-DA!  

    Depois eu até vi o povo tomando suco de granada nas ruas.

 

Bem, eu confesso que meus planos para aquela noite eram outros. Eu pensava em pegar um taxi de volta pro hotel "meio embriagadinha", naquele estado gostoso que a gente fica quando bebe um pouco no fim do dia só pra dormir mais leve. Mas sai do restaurante super sóbria, kkkkkk, e com um puta gosto de Granada na boca!

... Cartão de Autorização! Só me faltava essa! 

Mas eu estava feliz gente, muito felizzz! Por dentro eu estava realizada por estar passando por tudo aquilo.

Dalí, voltei p o hotel caminhando mesmo. Tinha sido um grande dia. Minha cabeça estava cheia de coisas. Eu só enxergava o meu blog piscando, bombando cheio de coisas pra escrever. Eu realmente tinha muita coisa pra contar. 

Cheguei no hotel, telefonei pro Reginaldo e levei a maior gozeira quando falei do tal Cartão de Autorização. Hahahaha a gente riu demais juntos.

Depois tomei um bom banho e ... ... tchan tchan tchan tchan! Bebi a garrafinha de espumante que tinha no frigobar do meu quarto!!! 

A HAAAAÁ!!! Que cartão de autorização que nada meu bem!!! Dormi como uma pedra. Apaguei. Não ouvi nem a cantoria das mesquitas que começam às 5 da manhã!

 

Jantar Típico

Estando em Istambul, vá a um jantar típico turco com Dança do Ventre se tiver oportunidade. Geralmente são passeios organizados por agências de viagens e a gente contrata do hotel mesmo. É coisa pra turista mesmo, eu sei, mas como adoro dança do ventre, eu quis ir.

Comprei um pacote com direito a traslado, jantar e show de dança. Não foi barato! Mas valeu à pena. Eu recomendo.

O jantar foi no salão de festas do Hotel Hilton de Istambul, ou seja, coisa chique no último. A comida era de ótima qualidade e o vinho turco que tomei também era muito bom (o Külüp). Não, lá não teve o lance de cartão de autorização não, graças à Deus. Era coisa pra turista mesmo. Só turista. Não tinha um muçulmaninho sequer! Era só o que me faltava né, estar num jantar daquele e não poder beber. 

Tive que fazer a reserva com antecedência porque esse evento é bastante procurado. Pelo telefone eles perguntam a nacionalidade da gente. Não entendi  o porquê disso na hora, mas quando o garçon me levou até o meu lugar, olha que bonitinho, tinha uma bandeirinha da Turquia junto com uma do Brasil na minha mesa! Achei um gesto muito carinhoso. Cada mesa tinha a bandeirinha da Turquia junto com uma do país de quem ia sentar alí.

 Outras brasileiras da mesa ao lado.

 

Depois do jantar, veio a hora que eu mais esperava, as apresentações de dança do ventre. Aí o povo foi ao delírio.

Eu já tinha assistido danças do ventre em outras cidades do mundo, mas a de Istambul eu achei bem diferente. As mulheres mexem muito mais a barriga do que as outras partes do corpo. Os movimentos são bem concentrados nessa área. E a batida da música parece realçar mais ainda as ondulações pélvicas das dançarinas. 

Gente, fiquei impressionada. Foram várias dançarinas e eu filmei um pedaço da dança de cada uma. Eu escolhi um video que dá pra resumir o que aquelas mulheres são capazes de fazer com a própria barriga. 

Assista o video abaixo:

 

Ritual dos Devixes Rodopiantes

Outro show maravilhoso que eu indico é dos Dexixes Rodopiantes.

Dervishes são dançarinos homens que fazem a performance do ritual Sema, que é uma dança divina, uma tradição dos mulçumanos sufistas. Os dervishes giram como o universo (imitando planetas e estrelas) ao som de musicas e poemas religiosos. Um ritual incrível e que merece ser visto.

Veja onde está acontecendo os shows assim que chegar em Istambul e trate logo de comprar um ingresso. Eu assisti no Centro Cultural Hodjapasha, mas acontece em outros lugares também. Tem que se informar no dia.

Assista o video abaixo:

Ana Cassiano

Morei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.

MMorei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.orei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.