Budapeste Hungria

 

Nós ficamos 3 dias em Budapeste, sexta, sábado e domingo. Eu achei tempo suficiente para conhecer bem a cidade.

Budapeste, capital da Hungria, é cortada pelo Rio Danúbio, que divide a cidade em duas regiões: De um lado fica Buda e do outro, Peste

A Origem do Nome: Obuda (com "o" mesmo) significa “água”. Peste significa “forno”. A união das duas cidades originou o nome Budapeste, que fica em uma região com muitas fontes de águas termais. 

Buda é o lado do morro, mais residencial com atmosfera tranquila, onde fica o castelo. Peste fica numa planície (o que facilita fazer tudo a pé), é mais agitada com vários bares e restaurantes e onde fica o parlamento. 

  O prédio do Parlamento.

 

Toda essa margem do Danúbio é na verdade Patrimônio da Humanidade classificado pela UNESCO.

Entre Buda e Peste há 4 pontes (Ponte Margareth, Ponte Elizabeth, Ponte da Liberdade e Ponte das Correntes). 75% de Budapeste foi destruída na Segunda Guerra Mundial e depois reconstruída no estilo original. 

Os pontos turísticos são espalhados pela cidade. Por isso recomendo usar o ônibus vermelho de dois andares para ter uma noção geral da cidade e depois voltar com mais calma nos pontos de maior interesse.

A Hungria não teve uma história fácil pois sempre esteve envolvida em guerras e sempre escolheu o lado errado (perdeu todas elas). 

Durante a Segunda Guerra Mundial, Budapeste sofreu grandes bombardeios aéreos dos aliados que praticamente destruíram a cidade. Com o fim da Guerra, ficou sob o poder soviético. Em outubro de 1956, a cidade se levantou contra o governo, colocando um fim na intervenção das tropas soviéticas. Com a queda da União Soviética em 1989, a Hungria abandonou o comunismo e recuperou sua liberdade, nascendo assim a República Húngara. 

Em 2004, a Hungria passou a fazer parte da União Europeia.

Ao longo da sua história, o país foi ocupado por romanos, turcos, austríacos, nazistas e comunistas, e cada um deixou várias marcas na cidade. É essa mistura que faz Budapeste ser uma cidade interessante.

Mais algumas curiosidades sobre a Hungria:

  • Lá foi inventado o palito de fósforo moderno (János Irinyi, em 1836) 

  • a caneta esferográfica (László Bíró, em 1931), apesar da Croácia também reivindicar essa invenção 

  • o cubo mágico (Erno Rubik, em 1974) 

  • e a vitamina C (Albert Szent-Györgyi, em 1927, o que lhe rendeu o Prêmio Nobel, em 1937).

 

O Parlamento

O prédio do Parlamento fica do lado de Peste, bem às margens do Rio Danúbio. É um magnífico edifício neogótico do ano de 1904. Pode entrar e visitar, mas como eu fui no Ano Novo, era feriado e estava fechado infelizmente. 

O Parlamento de Budapeste é o local onde se reúne a Assembleia Nacional da Hungria, e um dos edifícios legislativos mais antigos da Europa, que constitui um notável exemplo paisagístico da Hungria e um destino muito popular em Budapeste. Ergue-se na Praça Kossuth Lajos, na margem do Danúbio.

Para apreciar melhor o edifício basta estar no lado da margem Buda, na altura da Praça Batthyány tér.

Por dentro é maravilhoso e vale a pena visitar. Preço: HUF 5800 (16 Euros). Tem que agendar com antecedência nesse site → Clique AQUI

Atrás do Parlamento tem uma praça linda, a Kossuth Lajos Tér. Nela há prédios históricos e outro belo ângulo do complexo do Parlamento. À noite a praça fica toda iluminada, é maravilhosa.

 

O Castelo de Buda e o Fisherman's Bastion

O Castelo de Buda, também conhecido como Palácio Real, é um castelo histórico dos reis húngaros em Budapeste. O Castelo foi classificado pela UNESCO em 1987, como Patrimônio da Humanidade. 

O castelo foi residência de todos os reis da Hungria e ao longo do tempo foi continuamente reformado. Dentro do castelo ficam a Galeria Nacional, o Museu Histórico e a Biblioteca. Para visitar o interior precisa pagar, mas o jardim e toda a área externa é livre e grátis. 

O castelo está ligado à Praça Adam Clark e à Ponte das Correntes por um Funicular. Quem não quiser subir na caminhada pode pegar esse transporte, que é bem barato. 

Ao redor do castelo fica o bairro famoso pelas suas casas e edifícios públicos medievais e barrocos. A rua Színhás Utca é cheia de restaurantes, cafés e lojinhas de souvenirs. É uma delícia andar por ali. 

    O famoso restaurante Gold Barrel.

 

Ao lado do castelo fica o Fisherman’s Bastion (bastião dos pescadores). Ele não é nenhuma fortaleza ou construção antiga. Sua construção terminou em 1902 e serve como um terraço, um lugar para admirar Budapeste do alto. A vista é incrível. Ao lado do Fisherman’s Bastion fica a Catedral de St Matias, linda com os telhados feitos de mosaicos coloridos.

         A vista!

 

Assista ao vídeo abaixo:

 

A Citadella

A Citadella é uma fortificação localizada no topo da colina Gellért. É uma subida muito puxada, portanto fomos com o ônibus turístico hop-on hop-off, que tem uma parada lá em cima. 

A fortaleza ocupa um lugar que detinha importância estratégica na história militar de Budapeste. Foi construída em 1854 pelos Habsburgo, para ser um ponto de vigilância. É o ponto mais alto de Budapeste. 

O lugar é grátis, é tipo um parque. Mas para entrar no prédio (onde há exposição de armas e tanques de guerra) tem que pagar. Lá tem um restaurante, uma pequena feirinha e o edifício da fortaleza. 

  A vista lá do alto é maravilhosa, um dos melhores mirantes de Budapeste.

 

  Esse ônibus antigo funciona como lanchonete.

 

Ponte das Correntes

A bela Ponte das Correntes é do século 19. É a ponte mais antiga de Budapeste. Demorou 20 anos para ser construída. É uma das 4 pontes principais da cidade que atravessam o Rio Danúbio e conectam o distrito de Buda ao lado de Peste. 

  A Ponte das Correntes vista do alto do Castelo de Buda.

Até a construção da ponte, o Rio Danúbio só podia ser atravessado de barco ou, durante os invernos frios, caminhando sobre suas águas congeladas. A dificuldade de cruzar o rio foi a principal motivação para a construção da ponte. 

Seu nome é em homenagem ao seu criador, o conde István Széchenyi, que durante um período de mau tempo, precisou esperar uma semana para atravessar o rio e acabou perdendo o funeral do próprio pai. Esse triste fato inspirou o conde a criar uma fundação para financiar a construção de uma ponte permanente. 

A magnífica estrutura de 5.200 toneladas de ferro distribuídos em 380 metros de extensão por 14,8 m de largura foi projetada por William Tierney Clark. 

A atual Ponte das Correntes não é a original. Durante a Segunda Guerra Mundial, os alemães explodiram todas as pontes de Budapeste. Essa ponte de hoje é uma reconstrução que foi feita em 1949, logo depois do fim da Guerra.

Em cada uma de suas pontas há enormes esculturas de leões esculpidos em pedra por János Marschaiko. Detalhe notável: Os leões não têm língua! Curiosidade: Saindo de Peste os leões têm fisionomia séria. Saindo de Buda e retornando à Peste eles têm uma fisionomia mais amigável, como se estivessem agradecendo a visita.

 

A Margem do Danúbio no Lado de Peste

A principal área comercial de Budapeste é o calçadão de pedestres da rua Váci Utca. É uma rua de bastante comércio, com lojas de várias marcas, lojinhas de souvenirs, cafeterias e quiosques que vendem um tipo de quentão, bem necessário nos meses frios. 

  No Ano Novo eles tem o costume de se fantasiar ao sair nas ruas. Por isso as barracas que vendem fantasias.

 

No calçadão que fica às margens do Danúbio no lado Peste ficam várias atrações. No trecho entre a Ponte Elizabete e a Ponte das Correntes ficam hotéis, lojas e restaurantes, além de piers de onde saem os barcos de turismo que navegam pelo Danúbio. 

 

Estátua da Pequena Princesa

Uma das principais atrações dali é a estátua da pequena princesa. A estatueta da menina sentada nas grades do calçadão do Danúbio foi criada pelo artista László Marton e foi inspirada na sua própria filha quando ela tinha 5 anos. A menina brincava frequentemente usando uma fantasia de princesa, com o roupão do pai usado como manto e uma coroa feita de jornal. A estátua original mede apenas 50 centímetros!

Em 1990, a prefeitura de Budapeste pediu ao artista uma estátua para ornamentar a cidade. Ele imediatamente lembrou da sua "Princesinha". Então, uma cópia de tamanho maior foi criada para ser colocada no calçadão do Danúbio.

Uma segunda cópia foi feita e levada para Tapolca, cidade natal do artista que fica no interior da Hungria. Uma terceira cópia foi para o Japão e fica em frente à sala de concertos do Centro Cultural Espaço Metropolitano de Tóquio. 

A estatueta original, feita em 1972, fica exposta na Galeria Nacional Húngara (Museu de Arte que fica dentro do Palácio Real de Budapeste).

 

Praça dos Heróis e Parque Városligeti Kresz

A Praça dos Heróis é uma das praças mais importantes de Budapeste. Ela fica no final da Avenida Andrássy. A praça é grande e bem espaçosa. Foi erguida em 1896 para celebrar o aniversário do país. 

No centro fica o exuberante monumento do Milênio, uma pilastra de 36 metros de altura com a estátua do Arcanjo Gabriel no alto oferecendo uma coroa ao rei. Na parte de baixo, ficam estátuas de chefes de tribos húngaras montados a cavalo. 

A Praça dos Heróis é cercada por museus e belos prédios de embaixadas. A praça fica no começo do parque Városligeti Kresz Park. Esse é como se fosse o Central Park deles. Ele é enorme, tem lagos, pista de bicicleta, um zoológico e pista de patinação no gelo.

 

Sinagoga da Rua Dohány

Cerca de 450 mil judeus húngaros foram mortos no Holocausto, a maioria em Auschwitz, mas muitos em Budapeste. Hoje, o bairro judeu presta homenagens e guarda lembranças desse passado triste. 

Transformado em gueto durante a guerra, o bairro judeu guarda um tesouro arquitetônico, a sinagoga da Rua Dohány, a maior da Europa e uma das mais lindas do mundo, erguida em 1859 com elementos de características árabes. Pode entrar e visitá-la.

 

Os Sapatos do Danúbio

Às margens do rio Danúbio, a poucos passos do Prédio do Parlamento, fica o emocionante monumento que homenageia os judeus húngaros mortos durante o nazismo. Foram feitas várias esculturas de sapatos em ferro fundido, simbolizando a triste época na qual adultos e crianças tinham que tirar os calçados antes de serem mortos a tiros e lançados ao rio. 

O monumento foi idealizado pelo cineasta Can Togay e o artista que o produziu foi o escultor Gyula Pauer, ambos húngaros nascidos em Budapeste. A inauguração da obra foi em abril de 2005.

  Fotos** Gisele Prosdocini.

 

Quando ir

Nós estivemos em Budapeste no mês de janeiro. Fomos passar o Reveillon por lá. É muito frio nessa época, pegamos muita neve e temperaturas bem negativas (8 graus abaixo de zero!)

  Um frio da "Peste"; aproveitando o trocadilho.

 

  kkkk mentira né!

 

   A gente fica só com os olhos pra fora, rs de tanto frio affff.

 

A Júlia minha filha literalmente chorou de frio, coitadinha. 

  Olha a neve nos cílios do meu marido kkk.

 

No inverno além de ser muito frio, o comércio e as atrações fecham mais cedo e o dia anoitece cedo também (por volta das 16 horas). Eu também não recomendaria visitar no verão (junho, julho e agosto) pois a cidade fica muito lotada e é quente demais (acredite). Então acho melhor ir na primavera (março, abril, maio) ou no outono (outubro e novembro) quando as temperaturas são mais amenas, há menos gente nas atrações e os preços são melhores.

  Os tratores raspando a neve acumulada das ruas.

 

  Nunca passei tanto frio numa cidade como aqui!

 

No aeroporto, todos os aviões estavam cobertos de neve, inclusive a pista. Deu medo? Deu! Principalmente na hora da decolagem. 

Assista ao vídeo abaixo:

 

Transporte Público

O transporte público em Budapeste é muito eficiente. Usamos bastante o metrô. 

O ticket é barato, vale por 1 hora e é fácil de comprar porque nas máquinas eletrônicas tem opção em inglês e espanhol. Mas atenção! Não há catracas, então a gente tem que validar o ticket nas maquininhas antes de entrar nos vagões. 

Nós usamos o taxi também. Não achei caro.

 

A Língua

O idioma oficial de Budapeste é o húngaro. Se trata de um idioma totalmente diferente do inglês e do português. A língua é mais parecida com finlandês, estoniano ou russo. Mas nos pontos turísticos dá pra gente se comunicar em inglês.

Eu escrevi um post com dicas para quem vai viajar para países de língua difícil. Para ler clique AQUI

   Utca = Rua.

 

  Tér = Praça.

 

A Moeda

A moeda da Hungria é o florim. 1 Euro = 350 HUF

 

Hospedagem

Dá pra fazer muita coisa a pé em Budapeste se você ficar hospedado no lado Peste porque é mais plano. Apesar disso, ficamos hospedados no lado Buda, porque o hotel nos ofereceu muitas atividades indoor como piscina aquecida, academia de ginástica e brinquedoteca. Como fomos no inverno rigoroso, achamos que para as crianças isso seria interessante. E aproveitamos bastante tudo que o hotel nos ofereceu. 

Ficamos hospedados no Novotel Budapest CityLink do hotel → Clique AQUI

  Entrada do hotel.

 

Ao lado do hotel tem um ótimo Shopping Center, o Mom Park, o que facilitou bastante na hora das nossas alimentações e comprinhas de última hora.

 

Leia também:

Outros países e passeios pela Europa

Ana Cassiano

Morei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.

MMorei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.orei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.