Brasília Parte 2

Arabic Korean Japanese Chinese Simplified Russian Portuguese

English French German Spain Italian Dutch

Choose the Language ↓ Escolha o Idioma
 
 
 

 

Esse post é uma continuação. Para ler Brasília Parte 1 CLIQUE AQUI

 

Torre de TV de Brasília

Projetada por Lúcio Costa e inspirada na Torre Eiffel, a torre de transmissão radiofônica e televisiva de Brasília é um dos poucos monumentos da cidade que não foram projetados por Oscar Niemeyer. 

Ela mede 224 metros de altura e é estrutura mais alta do Distrito Federal. Ela já foi a estrutura mais alta do Brasil no ano da sua inauguração (1967) até 1986, sendo atualmente a 5ª mais alta do país. 

A torre funciona também como mirante, proporcionando belas vistas da capital. Aos seus pés acontece uma feirinha de artesanatos e comidas, que funciona de 3ª a domingo. Segunda feira fecha. 

 O Parque que fica à frente é o Burle Marx.

 

  Na base da Torre tem um letreiro da cidade Eu ♥️ Brasília.

 

Em frente à Torre fica a escultura "Era Espacial", uma estrutura de bronze com 15 metros de altura do artista plástico Alexandre Wakhevitch, também conhecida popularmente como Berimbau. 

A fonte de água da Torre foi entregue em 2010 como forma de comemoração ao aniversário de 50 anos de Brasília. Ela possui 80 metros de diâmetro e dois mil bicos injetores de água, alcançando até 50 metros de altura com seu jato principal. Durante o final de semana, são realizados espetáculos de 40 minutos de duração, onde as águas se tornam coloridas e o movimento acompanha o ritmo de músicas. 

A Fonte da Torre de TV é considerada uma das dez maiores do mundo. Vá visitá-la à noite!

 

Estádio Mané Garrincha

Inaugurado em 1974. Reformado em 2013 para receber jogos da Copa do Mundo de 2014. Tem capacidade para 73 mil pessoas. É o segundo maior estádio do Brasil e um dos maiores da América, atrás do Maracanã (RJ). 

O arquiteto do projeto original foi Ícaro de Castro Mello, e o da reconstrução Eduardo Castro Mello.

 

Palácio do Buriti

O Palácio do Buriti é a sede do Governo do Distrito Federal. Foi inaugurado 1969. 

Esse é o único dos grandes palácios da cidade que não foi projetado por Niemeyer. O projeto é do arquiteto Nauro Jorge Esteves, que também projetou vários prédios da Zona Cívico-Administrativa e era o braço direito de Oscar Niemeyer. 

O nome Buriti vem da árvore (uma espécie de palmeira) que foi plantada no centro da praça, árvore esta que se tornou o símbolo do Distrito Federal. 

Em frente ao prédio, existe uma réplica da escultura “A Loba de Roma”, famosa por representar o mito de fundação de Roma: os gêmeos fundadores da cidade, Rômulo e Remo, mamando na loba que os criou. A réplica foi oferecida por Roma à capital brasileira na ocasião da inauguração, em 21 de abril de 1960. Tanto Brasília quanto Roma foram fundadas no mesmo dia e são cidades-parceiras. 

  Nas cercas ao redor do Palácio do Buriti tem o símbolo da bandeira do Distrito Federal.

 

  Bandeira do DF.

 

Memorial dos Povos Indígenas

O Memorial dos Povos Indígenas é um museu e centro cultural dedicado à cultura indígena brasileira. Tem cerca de 380 obras, fotografias, vídeos, indumentária e objetos indígenas, que são peças representativas de várias aldeias do Brasil. 

O museu foi idealizado pelos antropólogos Berta Gleizer Ribeiro e Darcy Ribeiro e muitas peças eram do seu acervo pessoal.

O memorial foi inaugurado em 1987, com projeto arquitetônico de Oscar Niemeyer, que se inspirou nas malocas redondas coletivas dos índios Yanomami. 

A estrutura possui uma arena interna utilizada para apresentações e rituais indígenas.

 

Memorial JK

O local fica aberto de terça a domingo, entre 9 e 18 horas. O ingresso custa 10 Reais por pessoa.

O Memorial JK é um museu, mausoléu e centro cultural brasileiro construído para homenagear o 21º presidente do Brasil, Juscelino Kubistchek de Oliveira. O memorial fica no canteiro central do Eixo Monumental na região mais alta do Plano Piloto, com a ideia de ser a primeira coisa a ser vista para quem chega no local. 

O projeto foi obra de Niemeyer a pedido da viúva de Juscelino e ex-primeira-dama Sara Kubitschek. 

O prédio, visto de fora, é um bloco de mármore branco com poucas aberturas. com estética propositalmente feita para estabelecer um contraste com o céu azul da cidade e a estátua de Juscelino. 

Essa é a mais famosa estátua de Juscelino, feita por Honório Peçanha. A estátua de 4,5 metros fica num pedestal de concreto armado de 28 metros de altura, com a imagem de Juscelino acenando, como que se estivesse subindo. 

Foram feitos dois esboços da estátua. O primeiro gerou polêmica entre os militares e outros conservadores, que viam na estátua uma referência a foice e martelo, símbolos do comunismo. Na segunda versão, Niemeyer tirou uma das conchas, mas a polêmica continuou. Demorou para o projeto ser aprovado. O arquiteto sempre negou que fosse sua intenção fazer referência a foice e ao martelo. 

No lado de fora tem um grande gramado e as estátuas de Juscelino e Sarah sentados em um banco.

O último carro de JK, um Ford Galaxie LTD ano 1974 também fica em exposição no lado externo do monumento. 

Em frente ao prédio, ficam as bandeiras do Brasil, do Distrito Federal e de Minas Gerais, estado natal de Juscelino. Também há uma placa em granito negro com a famosa frase de JK: "Tudo se transforma em alvorada nesta cidade que se abre para o amanhã". 

A entrada é através de um túnel que leva ao interior do prédio, com fotos da trajetória de JK. Também ficam no local diversos pertences pessoais da família, e fotos tanto dele como de sua esposa Sarah. 

 O hall tem um tapete feito por artesãs de Diamantina, terra natal de JK. 

 

No local, encontra-se o túmulo de Juscelino Kubitschek em uma câmara mortuária com iluminação cênica. Há um vitral desenhado pela artista Marianne Peretti sobre a câmara mortuária, que muda a iluminação do ambiente conforme a posição do Sol.

O monumento é enorme por dentro. Tem roupas em exposição, a faixa presidencial, medalhas e até a biblioteca pessoal de JK. A neta de Juscelino e Sarah, Anna Christina Kubitschek Barbará Pereira, é a atual diretora do Memorial.

  Biblioteca pessoal de JK.

 

Parque Sarah Kubitschek

O Parque da Cidade Dona Sarah Kubitschek é a maior área verde urbana de Brasília e recebeu esse nome em 1997 em homenagem a ex-primeira dama, mulher de JK. Tem quadras de esportes, lagos artificiais, parque de diversões, centro hípico e pistas de caminhada, patinação e ciclismo.

 

Catedral Rainha da Paz

A Catedral Militar da Rainha da Paz é uma catedral católica. Foi inaugurada em 1994 e projetada por Niemeyer com formato triangular, que remete a uma barraca de campanha militar. 

A catedral foi construída utilizando a estrutura que cobria o altar onde foi celebrada a missa pelo Papa João Paulo II quando ele visitou Brasília em 1991. 

No interior um altar singelo e bancos largos são complementados por 3 vitrais que propiciam a iluminação natural. No subsolo foi construída uma capela.

 

Turismo Espiritual

Além do turismo histórico, arquitetônico e cívico, Brasília atrai também o turismo espiritual, com templos ecléticos bastante interessantes e vários em formato de pirâmide. 

Os principais templos são: Vale do Amanhecer, Cidade Eclética, Cidade da Paz e Templo da Boa Vontade.

 

Templo da Boa Vontade

Funciona 24 horas por dia, todos os dias da semana. 

O Templo da Boa Vontade é um complexo religioso de arquitetura moderna em forma de pirâmide de sete lados com piso em espiral e um cristal enorme no topo. Essa é a maior pedra de cristal puro do mundo.

O TBV foi fundado por José de Paiva Netto, em 21 de outubro de 1989. 

É um templo ecumênico, onde todas as "fés" convivem harmoniosamente. É um lugar de acolhimento espiritual que abriga todos que buscam a Paz interior, independentemente de crenças e descrenças religiosas, classe social, grupo étnico ou preferências políticas.

A nave central tem um piso em espiral que representa a jornada do ser humano em busca de equilíbrio.

A Sala do Silêncio, com ambiente para meditação, foi transformada na Sala EgípciaO local faz menção à cultura milenar dos egípcios, que acreditavam na Vida Eterna e entendiam que morrer na Terra era uma passagem para um Outro Mundo. As pirâmides demonstram o entendimento dos egípcios sobre a imortalidade da Alma. 

Na entrada tem a seguinte inscrição em hieróglifos: "Os mortos não morrem" escrita em vários idiomas. No teto, há os “sete céus”, que representam os sete dias da semana e toda a mística do número 7. As pinturas e esculturas, uma recriação feita pelo artista plástico Marciel Oehlmeyer, ajudam a inspirar um espaço para reflexão e prece. 

Cada ambiente do TBV conta com um recepcionista habilitado para fornecer todas as informações relativas ao ambiente e ao Monumento. 

Por ser um ambiente de recolhimento e prece, os visitantes devem respeitar as normas quanto a não usarem roupas curtas ou decotadas, como mini-shorts, bermuda, miniblusas e minissaias. Se necessário, o TBV oferece vestimenta na recepção. Minha filha e meu marido precisaram dessa vestimenta do templo.

O Templo da Boa Vontade é mantido com doações de peregrinos e turistas que o visitam, com a venda de produtos e lembranças das lojas existentes e com os recursos dos eventos filantrópicos promovidos por empresas. 

  Lojinha do templo.

 

Assista ao vídeo abaixo:

 

Espaço Cultural Renato Russo

O Espaço Cultural Renato Russo é um centro cultural público pertencente à estrutura da Secretaria de Estado do Distrito Federal. É o primeiro centro cultural da cidade, formado por diversos espaços, como teatros, galerias e biblioteca. 

Seu nome homenageia o cantor e compositor brasiliense Renato Russo, que chegou a frequentar o local. O espaço é considerado um importante centros de formação artística da cidade. 

Passou por obras de restauro e foi reaberto em 2018. O espaço é grande expoente das artes na capital, com oficinas diárias nos ramos de fotografia, pintura e desenho, com exposições sempre vigentes em todo o espaço, e apresentações teatrais todos os finais de semana.

Bandas famosas que vieram de Brasília que despontaram no cenário nacional: Legião Urbana, Capital Inicial, Plebe Rude, Natiruts e Raimundos.

 

Santuário Dom Bosco

O Santuário Dom Bosco é uma igreja católica dedicada ao segundo padroeiro da cidade, São João Bosco, que teria profetizado a existência da capital brasileira no 19 durante um sonho. 

Brasília foi profetizada 77 anos antes de existir. Em 1883, o padre italiano Giovanni Melchior Bosco, sonhou com uma terra próspera construída exatamente nas coordenadas onde Brasília está hoje. Ele foi declarado o segundo padroeiro da cidade. 

O Santuário Dom Bosco é administrado pela Congregação Salesiana com parceria do Governo Federal. 

Esse é um dos poucos monumentos de Brasília que não foram projetado por Oscar Niemeyer. A igreja foi projetada pelo arquiteto Carlos Alberto Naves com formas que remetem ao gótico. É especialmente famosa por seus vitrais, sendo considerada uma das Sete Maravilhas do Patrimônio Cultural de Brasília. 

As janelas de vitral azul do teto ao chão criam o efeito de um céu estrelado. são 80 colunas de 16 metros, entre os quais ficam os famosos vitrais em 12 tonalidades diferentes de azul, criados pelo artista belga Hubert Van Doorne. 

Portas de ferro e bronze tem gravados em alto-relevo momentos da vida de Dom Bosco e uma representação do sonho profético com Brasília na fachada frontal. As portas, o painel em bronze na pia batismal e a pintura em acrílico no sacrário foram feitas pelo artista Gianfrancesco Cerri. 

Também chama atenção o lustre central, que é aceso apenas em cerimônias ou, por pouco tempo, sob pagamento. Ele pesa duas toneladas e mede 3 metros e meio de altura, sendo formado por 7 400 peças de vidro de Murano, simbolizando Jesus Cristo como "a luz do mundo". O lustre foi criado pelo arquiteto Alvimar Moreira. 

Uma cripta foi criada para receber a relíquia de Dom Bosco em 2017 (um pedaço de osso do seu braço direito). A cripta fica no subsolo, junto de uma estátua em tamanho natural do santo. 

Do lado de fora, o paisagismo foi projetado por Roberto Burle Marx. 

Sob a inspiração do sonho de Dom Bosco com Brasília, também foi erguida uma ermida (pequena capela) em frente ao Lago Paranoá, a Ermida Dom Bosco.

 

Granja do Torto

A Granja do Torto é uma das residências oficiais da Presidência da República. É uma propriedade com características de casa de campo e por isto, situa-se nos arredores do Plano Piloto. 

Seu nome está relacionado à sua localização, na Fazenda do Riacho Torto. Seu primeiro morador foi um dos diretores da Novacap, empresa responsável por construir Brasília.

A Residência Oficial do Torto já serviu de morada para alguns presidentes como João Goulart, João Baptista Figueiredo, Lula e Dilma Rousseff. 

Na Granja do Torto, além da casa, foi construída uma granja para fornecimento de ovos e frangos. Quando ocupou a Presidência da República, de 1979 a 1985, o general João Figueiredo residiu na Granja onde criava cavalos. 

São 37 hectares incluem lago e córrego artificiais, piscina, campo de futebol, quadra poliesportiva, churrasqueira, heliponto e uma área de mata nativa.

O espaço recebe vários eventos, entre eles a Festa da Granja, que acontece desde a década de 90.

 

Torre de TV Digital

Horário: sáb, dom e feriado (9h-17h) Entrada: grátis. Fica mais distante do Plano Piloto.

A Torre de TV Digital de Brasília é uma torre de transmissão televisiva, projetada para transmitir o sinal de TV Digital para todo Distrito Federal e cidades do entorno. 

A estrutura, conhecida como "Flor do Cerrado", fica na região mais alta de Brasília. Foi o último projeto de Oscar Niemeyer a ser concluído antes da morte do arquiteto. O engenheiro foi José Carlos Sussekind. A inauguração aconteceu em 21 de abril de 2012, no dia do 52º aniversário de Brasília. A torre tem 182 m de altura, equivalente a um prédio de 62 andares. 

A base cilíndrica funciona como um "caule" que exibe duas "hastes" de vidro que abrigam dois espaços cobertos: um salão para exposições, onde se encontra uma maquete de Brasília semelhante à exposta no Espaço Lúcio Costa, e um outro espaço que será uma cafeteria. Aos 110m de altura, há um mirante com vista de 360º.

 

Parque Ermida Dom Bosco

Brasília foi profetizada 77 anos antes de existir. Em 30 de agosto de 1883, o padre italiano Giovanni Melchior Bosco sonhou com uma terra próspera construída exatamente nas coordenadas onde Brasília está hoje. Ele foi declarado o segundo padroeiro da cidade. 

Em homenagem ao sonho, foi construída no local uma ermida, pequena capela dedicada a Dom Bosco em formato de pirâmide. O monumento foi projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer e inaugurado em 1957, antes mesmo da inauguração de Brasília. É a primeira construção de alvenaria da cidade. 

Ao redor da capela, foi criado o Parque Ecológico Ermida Dom Bosco, às margens do Lago Paranoá, com 131 hectares de área verde. 

Lá também tem um letreiro “Eu ♥️ Brasília” e um píer de madeira de onde as pessoas pulam para nadar no lago. Vá no pôr do sol!

 

Biografia de JK

Juscelino Kubitschek nasceu em Diamantina (Mina Gerais) em 1902. Foi um médico, oficial da Polícia Militar mineira e político brasileiro que ocupou a Presidência da República por 5 anos (1956 e 1961). 

Em 1931 (aos 29 anos) casou-se com Sarah Kubitschek, com quem viveu o resto da vida.

Foi prefeito de Belo Horizonte (1940 a 1945) e governador de Minas Gerais (1951 a 1954). Nesse cargo priorizou as estradas e a industrialização. 

Em outubro de 1954, lançou sua candidatura à Presidência da República com o famoso slogan de campanha "50 anos em 5". JK venceu e tomou posse em janeiro de 1956 (seu vice era João Goulart). 

Na presidência, foi o responsável pela construção de uma nova capital federal, Brasília, executando assim um antigo projeto para promover o desenvolvimento do interior e a integração do país. 

Durante todo o seu mandato, o país viveu um período de notável desenvolvimento econômico e relativa estabilidade política. No entanto, houve também um significativo aumento da dívida pública interna, da dívida externa, e seu mandato terminou com crescimento da inflação, aumento da concentração de renda e arrocho salarial. 

Na época, não havia reeleição e em 1961, JK foi sucedido por Jânio Quadros. Nesse mesmo ano, Juscelino elegeu-se senador por Goiás e tentou viabilizar sua candidatura para a próxima presidência, que seria em 1965. 

No entanto, com o Golpe Militar de 64, foi acusado pelos militares de corrupção e de ser apoiado pelos comunistas. Como consequência, teve seu mandato cassado e seus direitos políticos suspensos. A partir de então, partiu para um exílio voluntário, e passou 3 anos nos Estados Unidos e na Europa. 

Em 1967, voltou para o Brasil e se uniu a Carlos Lacerda e a João Goulart na articulação da Frente Ampla, em oposição à ditadura militar, que foi extinta pelos militares um ano depois, levando JK à prisão por um curto período. JK pretendia voltar à vida política depois de passados os dez anos da cassação de seus direitos políticos. 

Mas, em agosto de 1976, morreu em um acidente de carro na rodovia Dutra, na altura de Resende no estado do Rio de Janeiro. Segundo as autoridades, teria sido um mero acidente automobilístico. O automóvel em que ele viajava, um Chevrolet Opala, colidiu violentamente com uma carreta carregada de gesso. 

Houve uma comoção nacional e mais de 300 mil pessoas assistiram ao seu funeral em Brasília, onde a multidão cantou a música que o identificava: Peixe Vivo. 

Seus restos mortais repousam até hoje no Memorial JK em Brasília. 

Em 1996 seu corpo foi exumado, para se esclarecer a causa de sua morte, levantando-se novamente a polêmica sobre o caso. Até hoje os laudos apontam para um acidente, mas sempre pairou no ar uma dúvida sobre um possível assassinato. 

JK esteve envolvido num escândalo extraconjugal, em que manteve, durante 18 anos (1958 a 1976) um romance secreto com Maria Lúcia Pedroso, esposa do deputado e assessor de JK José Pedroso. Ela tinha 23 anos e ele 56 quando se conheceram. José Pedroso descobriu o caso em 1968, chegando a ameaçar matar os dois com um revólver. JK preferiu posteriormente contar tudo à sua esposa Sarah. 

Mesmo com a traição descoberta, Pedroso manteve-se casado e vivendo na mesma casa com Maria Lúcia, porém dormindo em quartos separados. Sarah proibiu JK de ir ao Rio de Janeiro, onde vivia Maria Lúcia, para que não a encontrasse mais. Juscelino acabou morrendo num acidente de carro na Via Dutra, justamente quando estava indo se encontrar com ela.

 

Biografia de Oscar Niemeyer

Niemeyer Nasceu no Rio de Janeiro em 1907 e morreu em 2012 com 105 anos. 

Era comunista declarado, filiado a partidos de esquerda e ateu. 

Ele foi um gênio da arquitetura Modernista. Suas construções são de aparência limpa, simplificada e sem ornamentos, com grandes espaços vazios dentro (espaços úteis para serem bastante aproveitados). Seus projetos têm uma técnica de iluminação interna impressionante, com a luz natural. Quase todos seus os prédios têm rampas (internas ou externas). Outra marca registrada de Niemeyer são as curvas abstratas e os desenhos geométricos. Era impressionante o que conseguia fazer no concreto armado. Era uma ousadia nas formas. 

Cursou a Universidade de Belas Artes do Rio de Janeiro. Trabalhou junto de Lúcio Costa e Joaquim Cardozo desde quando eram estagiários e recém-formados. Niemeyer criava e Joaquim Cardozo executava, solucionando problemas daquela arquitetura desafiadora. 

O primeiro grande trabalho individual de Niemeyer foram os projetos ao entorno da Lagoa da Pampulha em Belo Horizonte. Daí pra frente, se tornou um dos arquitetos mais famosos do Brasil e do mundo, projetando uma série de edifícios famosos, incluindo a sede da ONU em Nova Iorque. 

Em 1956, no governo de JK, Niemeyer projetou praticamente todos os prédios públicos de Brasília. Com o Golpe Militar de 64, teve que deixar o país devido à sua ideologia de esquerda e sua militância pelo PCB (Partido Comunista Brasileiro). Abriu um escritório em Paris e só retornou ao Brasil em 1985. 

Niemeyer tem obras espalhadas pelo mundo todo. No total foram cerca de 600 obras projetadas e executadas na vida. Seu último projeto, idealizado pouco antes de morrer, foi a "cidade das artes e da cultura" em Essaouira, no Marrocos. 

Niemeyer casou-se com Annita Baldo em 1928. Deste casamento ele teve sua única filha, Anna Maria Niemeyer, em 1930, que deu ao arquiteto cinco netos, treze bisnetos e quatro trinetos. Sua filha faleceu antes que ele, mas foi no mesmo ano, 2012, aos 82 anos. 

Com 99 anos e viúvo desde 2005, Niemeyer casou-se novamente em 2006 com sua secretária, Vera Lúcia Cabreira, de 60 anos com quem ficou casado até a morte. 

Seu corpo está sepultado no Rio de Janeiro junto ao corpo de sua filha.

Sempre houve uma rixa entre as profissões de arquiteto e engenheiro. Mas Niemeyer se relacionava super bem cos engenheiros com quem trabalhou. Ele dizia que sem a astúcia deles, seus projetos não sairiam do papel.

 

Brasília Parte 1

Esse post é uma continuação. Para ler Brasília Parte 1 CLIQUE AQUI

Ana Cassiano

Morei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.

MMorei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.orei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.