Lençóis Maranhenses

Choose the Language ↓ Escolha o Idioma
 
 

 

O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses é uma região enorme (155 mil hectares) administrada pela ICMBio, composta de dunas e lagoas formadas pela água da chuva. Fica no norte do estado do Maranhão à 250 km da capital São Luís. 

Em 1981, foi criado o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses com a finalidade de regulamentar e controlar o acesso às dunas e lagoas. O parque é administrado pelo ICMBio que tenta organizar e fiscalizar o turismo com a intenção de impactar a biodiversidade ambiental da menor maneira possível.

No Maranhão chove muito no primeiro semestre do ano. Isso faz com que as lagoas dos Lençóis encham. A água vem dos lençóis freáticos, subterrâneos. Por isso a água é doce, e não salgada. 

O nome "Lençóis Maranhenses" vêm daí, dos lençóis freáticos. Os nativos costumam dizer que o nome vem da aparência de um lençol de cama atrapalhado, mas a explicação geológica mesmo é porque a água vem de baixo para cima, dos reservatórios de água subterrâneos.

  Foto que bati durante o passeio do sobrevoo de avião pelos Lençóis.

 

Os lençóis freáticos são tão abundantes, que se você cavar de 2 a 3 metros de profundidade já irá encontrar água própria para beber. Em diversos vilarejos, a população cava poços artesanais para consumo de água potável. 

As cidades dos Lençóis NÃO ficam no litoral. São cidades do interior do Maranhão. Nenhuma tem praia (exceto o vilarejo de Atins, falo dele mais à frente).

  No mapa as setas brancas indicam as cidades que estive (Santo Amaro e Barreirinhas).

 

É um sonho poder mergulhar nas maravilhosas lagoas de água doce e cristalinas cercadas por imensas dunas de areia branquinha. Um paraíso!

O vídeo abaixo foi feito com nosso drone. Nós não precisamos de autorização para voar com o drone nos Lençóis, mas claro que obedecemos às regras da privacidade das outras pessoas, não voando perto de ninguém nem fazendo imagens sem consentimento. 

 

Quando ir

A melhor época para visitar os Lençóis Maranhenses é nos meses de junho a agosto. Esse período é o auge da temporada, quando as lagoas ficam cheias e o sol reina no céu. Em setembro, as lagoas já começam a secar lentamente. Em meados de outubro, a maior parte das lagoas já estará vazia. 

  Eu fui em agosto e algumas lagoas já estavam começando a secar.

 

  Peguei essa foto de uma lagoa seca na internet. Foto de Renato Grinn.

 

Para que a beleza dos Lençóis atinja seu máximo esplendor, é preciso esperar o período de chuvas passar, porque com tempo nublado as lagoas perdem o encanto. É a luz do sol que dá aquele maravilhoso tom de azul e verde na água. Em dias ensolarados, as cores ficam mais vivas e a transparência da água se acentua. 

Entre janeiro e maio chove muito. Não vá nesse período! O tempo estará feio e nublado e assim as lagoas ficam totalmente sem cor e sem graça. 

A temperatura nos Lençóis é agradável o ano inteiro. Varia de 26 à 33 graus. Só não é mais quente que isso por causa do forte vento que ameniza bastante a sensação de calor. 

Nas dunas pode-se andar descalço, não queima os pés. A areia não é quente, justamente por causa do vento. 

A temperatura da água é sempre agradável! Morninha.

Lembrete: Julho é o mês de férias escolares. As cidades e lagoas ficam mais cheias e os preços de passagens, hospedagens e alimentação ficam mais altos. Agosto é mês de férias na Europa. Muitos estrangeiros visitam os Lençóis nessa época, puxando os preços pra cima também. Mas é o período que as lagoas estão mais bonitas. Então para vivenciar o auge da beleza dos Lençóis, tem que encarar os custos da alta temporada mesmo. 

Na alta temporada chega a dar trânsito de jardineiras 4x4 pelas estradas dos Lençóis, devido ao maior número de turistas fazendo os passeios. Também é comum formar uma longa fila para atravessar a balsa do rio Preguiças em Barreirinhas. Mas tem que ter paciência, faz parte da aventura. Tudo vale a pena, porque a experiência de passar um dia nos Lençóis paga qualquer sacrifício. (OBS: eu fui no mês de agosto e não peguei tanto trânsito na balsa)

 

Quanto tempo ficar

O ideal é passar pelo menos 1 semana nos Lençóis para aproveitar tudo de bom que a região oferece. (Eu fiquei 11 dias.)

O mais legal (e o que muita gente faz) é escolher mais de uma cidade para se hospedar. Assim, a gente aproveita por completo. Fique pelo menos em 2 cidades e passe pelo menos 3 dias em cada uma. 

 

Em quais cidades ficar

Os Lençóis Maranhenses ocupam uma área gigante. Para explorar a região é preciso escolher uma cidade para ficar como base. As 3 cidades principais que recebem os turistas são: 

  • Barreirinhas
  • Santo Amaro
  • Atins

Vou falar com mais detalhes de cada uma mais à frente.

 

A Paisagem dos Lençóis

Vendo tantas dunas e tantas lagoas juntas, você pode até pensar que os dias nos Lençóis são cansativos e repetitivos, do tipo “mais do mesmo”, mas não! As centenas de lagoas podem ser parecidas, mas não são idênticas. Cada uma tem sua particularidade. Umas são mais fundas, outras mais rasas. Umas são azuis, outras são verdes. Há lagoas com vegetação dentro, outras com charmosos troncos de árvores, e há aquelas que têm ondas! Parecem até o mar! Umas são cristalinas, outras têm até peixinhos... enfim, uma maravilha diferente da outra.

As dunas ao redor das lagoas também se movimentam bastante por causa do vento. Por isso, cada ano a paisagem muda um pouco. 

As cidades dos Lençóis NÃO ficam no litoral. São cidades do interior do Maranhão. Nenhuma tem praia (exceto o vilarejo de Atins, falo dele mais à frente). E todas as lagoas são de ÁGUA DOCE.

As fotos abaixo nós fizemos com nosso drone:

 Essa estrela boiando aí no meio sou eu, rs.

 

A linha que divide a vegetação das dunas é linda. A restinga é uma vegetação fechada com árvores baixas. Entre as dunas e as cidades fica a restinga. A paisagem é maravilhosa, dunas e lagoas de um lado e restinga do outro.

Em todas as lagoas a temperatura da água é sempre muito agradável. Bem quentinha! Parece piscina aquecida.

As lagoas têm peixinhos. São peixinhos bem pequenos, tipo piabinhas, que se alimentam das algas do fundo das lagoas. Esses peixinhos servem de alimento para os pássaros da região (os maçaricos). Mesmo quando as lagoas secam, os peixinhos ficam lá, ou nos lençóis freáticos do subsolo, ou no fundo das lagoas quase secas. De qualquer forma, depois do longo período de seca, quando as lagoas voltam a encher novamente, os peixinhos reaparecem.

O bioma dos Lençóis é o seguinte: A gente quase não vê bichos, mas sabemos que por ali há muita vida. Tem os peixinhos das lagoas, as algas que vivem no fundo, os pássaros maçaricos e algumas gaivotas. Tem a vegetação (restinga), tem os juncos - que crescem dentro da água e que o gado come - e tem também os manguezais. O interessante é que os guias dizem que durante o período da seca, parece que todo o bioma seca junto e morre, mas não, ele está ali apenas incubado. Quando as chuvas chegam, tudo renasce de novo. 

Olhando pelas fotos, parece que sempre estamos sozinhos, mas na verdade tem muita gente passeando ao redor. Como o lugar é muito grande e há muitas lagoas, as pessoas se espalham e o lugar fica parecendo privativo. 

Eu não coloquei filtro em nenhuma foto dos Lençóis, porque não precisa! A luz do sol é perfeita sempre.

São os guias e motoristas dos passeios que batem as fotos pra nós. Eles arrasam! Ninguém fica feio nesse lugar, nenhuma foto sai perdida.

 

CURIOSIDADES:

  • Nas dunas de Barreirinhas foram gravadas cenas da novela "O Clone" para retratar o Marrocos. Nas dunas de Santo Amaro foi gravado o filme "Casa de Areia" e a novela "Da Cor do Pecado". No Parque dos Lençóis também foi gravado um episódio da série "Largados e Pelados" - reality show do canal Discovery Channel.

  • O solo abaixo dos Lençóis é rico em petróleo. Aliás, as dunas e lagoas foram descobertas durante um voo de técnicos da Petrobrás nos anos 70, quando estudavam a região.

  • Os Lençóis são considerado "A Terra da Toyota". Essa é uma afirmação das próprias agências e guias de turismo da região. Esse é o único 4x4 que aguenta andar pelas dunas e estradas de areia daqui. Os outros 4x4 de outras montadoras não duram muito tempo. A maioria das jardineiras que fazem os passeios são da marca Toyota. E mesmo velho, esse carro vale muito nos lençóis. 

 

O que você precisa saber sobre os passeios nos Lençóis

As lagoas têm nomes apenas para organizar os passeios. Os circuitos têm o nome de uma lagoa, mas na verdade o roteiro passa por várias lagoas e dunas, sempre com paradas para banho, de 50 minutos mais ou menos.

Pode ser que alguma lagoa famosa já não esteja mais tão bonita quanto ao ano anterior, mas a do lado esteja incrível. Então não se apegue aos nomes e confie nos guias, que estão ali para proporcionar a melhor experiência possível aos turistas. Os guias são moradores locais e têm o maior orgulho da região. Por isso vão mostrar o que tem de melhor por lá.

Os nativos têm permissão para entrar nos Lençóis sem pagar, nada mais justo. Então durante os finais de semana e feriados as lagoas ficam mais cheias de gente, principalmente as de Santo Amaro, do Circuito Andorinhas/Gaivotas que ficam bem próximas do município e do portão de entrada dos Lençóis. Mas isso não prejudica em nada nos passeios. As lagoas são muitas e enormes, tem lagoa pra todo mundo conviver bem e numa boa.

Não é permitido entrar com carro particular nos Lençóis. Os passeios acontecem em veículos autorizados, geralmente Toyota 4x4 com traseira adaptada para levar grupos de até 12 pessoas. E é obrigatório a presença de um guia local cadastrado em todos os passeios.

O preço dos passeios variam de R$ 90 à R$250 reais por pessoa, depende do roteiro, da distância e do tempo de duração. Passeios privativos são bem mais caros, em média 650 reais, porém proporcionam mais conforto e experiências particulares incríveis.

Os passeios privativos são bem exclusivos e especiais, mas os passeios coletivos também são muito legais. A gente vai com mais pessoas na jardineira e faz amizades incríveis. O bom é você mesclar passeios privativos com os coletivos. Eu fiz assim! Dessa forma, a gente vive todas as experiências e equilibra os gastos da viagem.

Os passeios têm que ser agendados com pelo menos 3 dias de antecedência, senão a gente não consegue vaga, principalmente na alta temporada. A gente trata tudo pelo whatsap e paga pelo pix mesmo.

Os passeios podem ser de meio dia ou dia inteiro, sendo que os passeio que acontecem à tarde incluem o pôr do sol, que é sempre espetacular! Então prefira fazer os passeios à tarde. 

Quanto aos passeios de meio dia, prefira fazê-los à tarde, porque de manhã o tempo amanhece bem nublado e à tarde o vento empurra as nuvens abrindo o céu. O sol aparece mais na parte da tarde.

Tem que levar água, lanche e uma mochila com itens pessoais. Não pode consumir bebidas alcóolicas durante os passeios. E não pode levar caixinhas de som.

Em alguns roteiros, há paradas para almoço no vilarejo mais próximo. A comida nunca está incluída no valor do passeio. É paga à parte. Geralmente os pratos são grandes e bem servidos, servem 2 pessoas e custam em média 100 a 120 reais.

Leve chapéu, óculos de sol e protetor solar. Os passeios pelas dunas e lagoas não têm sombra. É preciso estar preparado para horas de exposição sob forte sol. Roupas de banho são itens obrigatórios, obviamente. 

Para caminhar nas dunas não será necessário um calçado especial. Na verdade, o ideal é caminhar descalço mesmo. A areia não é quente (porque venta muito) e permite andar tranquilamente sem chinelo. Mas se os pés ficarem sensíveis demais depois de tantos passeios, experimente usar meias para percorrer as dunas, assim diminui o atrito com a areia. Mas a areia é bem fininha, geralmente não machuca os pés não.

Leve um compartimento para proteger celular e câmeras da areia. Acredite, com o vento, entra areia em tudo quanto é lugar! Como eu já disse, a areia é muito fininha.

Não tente fazer passeios sozinho pelas dunas. A chance de se perder é muito grande. As dunas dos Lençóis Maranhenses são para serem desbravadas com o auxílio de guias experientes. Quem não conhece bem a região pode facilmente se perder e o resgate será bem complicado. Evite problemas.

Não subestime as lagoas. Elas são rasas nas bordas, mas no centro podem chegar a 5 metros de profundidade. Muita gente tenta atravessar a nado achando que é fácil. Mas tome cuidado. Os guias dizem que acontecem muitos casos de afogamento, por cansaço ou por câimbras. Os guias e motoristas são treinados para prestar os primeiros socorros para no caso de afogamento, fazerem o atendimento até os bombeiros chegarem.

O Transporte é desconfortável, Se prepare!

Visitar as lagoas dos Lençóis não é uma tarefa fácil. As estradas são de areia e bastante irregulares. Por causa do trajeto, a viagem pode ser bem desconfortável. Especialmente em Barreirinhas, onde as distâncias para as lagoas são maiores, e o transporte pode ser um transtorno. A gente chaqualha muito!

Os veículos 4x4, tipo Toyota, são adaptados com bancos para passageiros. O percurso é de areia e passa por vários trechos alagados, exige um bocado dos turistas. Os solavancos são constantes e pode ser bem cansativo sacudir durante uma hora e meia até chegar às lagoas. Em Santo Amaro os trajetos são mais curtos, por isso o sofrimento é menor. Em Santo Amaro, as jardineiras chegam até a margem das lagoas. Em Barreirinhas não. Os carros estacionam longe e o resto a gente tem que fazer na caminhada mesmo.

Uma dica útil: Leve dois óculos escuros. Um bom que você usa sempre e outro "mais velhinho". Motivo: a areia que bate nos óculos com o carro em movimento arranha toda a lente! Então leve dois óculos, um para os passeios e fotos e outro para ser "detonado" pela areia.

 

Trekking pelos Lençóis

Nós turistas só podemos frequentar “as bordas” do parque dos Lençóis. Por mais que os passeios aparentam adentrar pelo parque, na verdade os roteiros não ficam muito longe das “beiradas”, aquela região que fica entre as dunas e os municípios. 

No interior dos Lençóis, tem a chamada “zona primitiva” onde há pequenas vilas de nativos que habitam essas regiões isoladas do parque. Quem conhece os Lençóis a fundo diz que as mais belas lagoas estão perto desses povoados isolados, que ficam bem no meio do parque, onde os passeios não chegam (porque é uma área de preservação e não pode entrar carros nem quadriciclos). E a única maneira de chegar é a pé. Para visitar as famosas lagoas da chamada “zona primitiva”, é necessário atravessar o parque numa caminhada que dura de 3 a 5 dias. 

Tem um passeio que se chama “Trekking pelos Lençóis” que faz esse percurso. É uma caminhada longa, recomendada para pessoas que já tenham um preparo físico para aguentar sol, acampamentos ao relento, carregar barracas e apetrechos pessoais nas costas e cozinhar a própria comida em fogões improvisados em buracos cavados na areia. Tem muita gente que procura esse passeio, até mesmo como uma jornada pessoal de autoconhecimento. Tem agências que oferecem esse roteiro, que tem que ser obrigatoriamente acompanhado de guia local cadastrado e bastante experiente e entendedor da região, para não se perder com o grupo.

 

Sobrevoo de avião pelos Lençóis - Barreirinhas

Se visto de baixo os Lençóis Maranhenses já são espetaculares, do alto é ainda mais impressionante. Para entender a dimensão da beleza dos Lençóis, faça um sobrevoo pela região. O cenário é de emocionar! 

Esse voo só sai de Barreirinhas. A empresa que faz o voo se chama VOAR (98)8264-2945. Tem que fazer reserva antes. 

O preço é R$ 410,00 por pessoa. Voo privativo → R$ 1.300,00. Duração: 30 minutos. Já está incluído no preço o taxi que nos busca e nos leva de volta para a pousada. 

Nós pagamos o voo privativo para garantir o aviãozinho só pra nós, senão a agência provavelmente encaixaria alguém na poltrona vazia. O avião é pequeno. Cabem 3 pessoas mais o piloto.

O voo parte do aeroporto de Barreirinhas. É um aeroporto bem pequeno, só atende esse tipo de avião que faz o sobrevoo e jatinhos particulares que veem de São Luís. O taxista que nos busca na pousada fica no aeroporto esperando o voo, e depois nos leva de volta.

IMPORTANTE: Prefira avião de asa alta! Os de asa baixa prejudicam a visibilidade, pois a asa do avião tampa a vista.

  Avião de asa alta!

Há 2 tipos de rotas de 30 minutos que podemos escolher. Uma passa só sobre os Lençóis. A outra rota sobrevoa toda a região de Barreirinhas, Atins, Caburé, Mandacaru, o Parque Eólico e também uma parte das dunas e lagoas dos Lençóis. Preferimos essa última.

O melhor horário para o sobrevoo é no início do dia ou ao entardecer, quando a luz do sol reflete na água das lagoas e marca ainda mais as dunas. Nosso voo foi às 16:30h.

  Uma curiosidade: Peguei essa foto na internet, de um sobrevoo feito na época de seca das lagoas. A paisagem é outra totalmente.

 

** Em Barreirinhas tem outra empresa que faz o sobrevoo, ela se chama AVA. Porém os aviões deles são de asa baixa.

OLHA ISSO: Tem gente que paga mais caro por um voo sem porta acredita?! Eles retiram a porta do avião para o passageiro se sentir mais livre e com bastante vento na cara, hahaha. O curioso é que o preço é mais caro que o voo normal. Pra mim tinha que ser mais barato ué, afinal o avião voa faltando um pedaço rs.

 

Assista ao vídeo abaixo:

 

A cidade de Barreirinhas

A maioria dos turistas escolhe se hospedar em Barreirinhas. É a cidade mais fácil de chegar e a que oferece a melhor infraestrutura turística. Há uma variedade de pousadas, agências de turismo e restaurantes. É uma cidade mais cheia e movimentada. Mesmo assim é uma cidade bem pequena e simples. 

De lá saem vários passeios para as dunas e lagoas. Mas as lagoas ficam longe de Barreirinhas. Para chegar até elas é preciso pegar uma jardineira 4x4 por 1 hora e meia que sacoleja bastante. A estrada é de areia e bem irregular. Mesmo assim é uma cidade que deve estar no seu roteiro, pelo menos por 3 noites.

A orla de Barreirinhas que fica às margens do rio Preguiças, é bem agitada. À noite, na Avenida Beira-Rio, vários bares e restaurantes recebem os turistas depois do longo dia de passeios. É o lugar ideal para relaxar e comer alguns quitutes regionais. 

  Calçadão da Beira Rio: De dia é vazio porque os turistas estão nos passeios das dunas. Mas à noite isso daqui é um agito só!

 

  Rio Preguiças.

 

Para andar pela cidade durante a noite não é necessário roupas chiques. Tudo é bem simples e despojado. Sandálias e chinelos serão os melhores aliados, assim como roupas confortáveis e frescas. 

A internet e o sinal de celular são bastante instáveis nos Lençóis. As pousadas oferecem Wi-Fi, mas não é garantido que estarão funcionando maravilhosamente bem. Acontece muitas vezes de ter melhor sinal no alto das dunas do que nas pousadas (hahaha). 

Cartão de crédito é aceito em Barreirinhas. Por lá também tem caixas eletrônicos, coisa que não acontece em Santo Amaro e Atins. Tenha sempre um pouco de dinheiro na carteira para compras menores. 

 

PASSEIOS EM BARREIRINHAS

É de Barreirinhas que saem os principais passeios que exploram a região dos Lençóis. Além dos circuitos que visitam as lagoas e dunas, tem também passeios de barco pelo Rio Preguiças, passeios de quadriciclo e até flutuação em boias que descem o rio abaixo. São muitas opções de passeios que as agências oferecem. Você tem que fazer aquilo que gosta e que melhor se enquadra no seu perfil de turismo. 

Em Barreirinhas eu escolhi fazer só passeios relacionados às dunas e lagoas mesmo. Então fiz o Circuito da Lagoa Bonita e o Circuito da Lagoa Azul (mostro com detalhes cada passeio mais abaixo). Eu não quis fazer o passeio de barco pelo rio Preguiças, mas tem muita gente que faz e gosta. Peça informações na agência de turismo que estiver te atendendo. 

Outro passeio que achei imperdível é o sobrevoo de avião pelos Lençóis. Esse voo só sai de Barreirinhas. Mostro como foi ainda nesse post.

 

HOSPEDAGEM EM BARREIRINHAS

Há 2 tipos de hospedagem: as pousadas do centrinho e as pousadas que ficam mais afastadas do centro. As mais afastadas são maiores e melhores. As do centro são mais simples e com quartos menores. O mais importante é ter ar condicionado, porque pra dormir o calor é demais e tem muitos pernilongos. 

Independente se estiver no centro ou mais afastado, há transfer que nos busca nas pousadas e nos levam para os lugares. Principalmente os restaurantes fazem isso. Algumas pousadas oferecem bicicleta também. A cidade tem uber, super rápido. Nos atendeu super bem.

 

Sugestões de Pousadas em Barreirinhas

  • Toca dos Aventureiros (eu fiquei nessa) Ótima, mais afastada do centro (2Km) Gostei muito. Super indico! São chalés individuais com varanda e rede. O Rio Preguiças passa atrás da pousada, pode nadar.
  • Encantos do Nordeste
  • Gran Lençóis Flat Residence
  • Porto Preguiças Resort
  • Pousada do Porto
  • Pousada D'Areia
  • Pousada do Riacho

 

Abaixo, fotos da pousada que fiquei em Barreirinhas, a Toca dos Aventureiros:

 

Agências de Turismo que oferecem passeios em Barreirinhas (existem várias, mas essas foram as as agências que cotei preços e algumas que fechei passeios): Pode ser tudo feito por whatsap

  • Caetés Expedições (98)98514-8072
  • Taguatur (98)98587-5959
  • Rios Tour (98)99136-1125
  • Atrativa Tour (98)98443-6978
  • Trilha Tour (98)8465-9626

 

Sugestão de Restaurantes em Barreirinhas: Todos no centro

  • Espetaria da Vila
  • Jacará Pub Restaurante
  • Bambaê (esse é afastado do centro, mas é ótimo, badaladinho e tem transfer que busca na pousada de graça. Fica dentro da Pousada Encantes do Nordeste e é aberto ao público)
  • A Canoa Restaurante (Muito Bom)
  • Restaurante Mangue (Muito Bom) Tem transfer grátis que busca os clientes na pousada e leva de volta.
  • Restaurante Pier 71 (Ótimo!)
  • Restaurante e Lanchonete do Gaúcho (Self Service barato)

 

  Almoço no Restaurante Pier 71, com vista para o Rio Preguiças. Muito agradável. Comida muito boa.

 

           No Restaurante Mangue tomando Suco de Bacuri com Leite. Uma delícia, tem que provar.

 

 Restaurante Bambaê, delícia de lugar, bem badaladinho. Adorei. Vá no jantar, faça reserva antes.

 

 Em qualquer restaurante, não deixe de provar a Caipirinha de Tiquira (pinga da mandioca). Eu escolhi sabor cajá.

 

  E não dá para ir no Maranhão e não tomar o Guaraná Jesus né! É o refrigerante típico de lá. É rosinha e tem gosto de chiclete! Uns gostam, outros nem tanto, mas eu adorei!

 

Circuito Lagoa Azul - Barreirinhas

Esse é um passeio de meio dia. Você pode escolher fazer de manhã ou à tarde. (8 às 13:30h) ou (12:30 às 19h). 

Valor do passeio compartilhado: 100 reais por pessoa. O preço do passeio privativo tem que consultar porque varia de agência para agência.

A agência manda a jardineira (camionete) passar na pousada para buscar os turistas. Na jardineira cabe cerca de 10 pessoas. 

A gente atravessa a balsa do Rio Preguiças com a camionete. Ao redor do pequeno porto tem lojinhas de souvenirs e comidas pra gente comprar se quiser, enquanto espera a balsa chegar. A travessia não demora muito, cerca de 15 minutos. 

  Lojinha de artesanatos feitos com a palha da folha do Buriti, que é uma espécie de palmeira. Aliás, deixa eu aproveitar para dizer que muitas casas nos Lençóis Maranhenses têm os telhados feitos com palha do Buriti.

 

O carro percorre cerca de 45 minutos por uma estrada de areia tipo uma trilha (radical!). Os órgãos do nosso corpo quase saem do lugar de tanto que sacoleja. É uma aventura! Mas é divertido. 

A camionete estaciona nos pés das dunas. A gente desce e iniciamos uma caminhada a pé para conhecer o circuito das lagoas, com paradas de uns 50 minutos em cada uma. A gente para em 3 ou 4 lagoas para nadar e curtir o tempo como quiser. 

 Olha o meu marido láááá no meio da lagoa!

 

As lagoas mais famosas desse circuito são: Lagoa dos Toyoteiros, Lagoa do "S", Lagoa Azul, Lagoa da Preguiça e Lagoa Esmeralda. A caminhada entre uma lagoa e outra é curta. Não cansa, dá pra fazer de boa.

As lagoas têm nomes apenas para organizar os passeios. Os circuitos têm o nome de uma lagoa (nesse caso, Circuito da Lagoa Azul), mas na verdade o roteiro passa por várias lagoas e dunas. Pode ser que alguma lagoa famosa já não esteja mais tão bonita quanto ao ano anterior, mas a do lado esteja incrível. Então não se apegue aos nomes e confie nos guias, que estão ali para proporcionar a melhor experiência possível aos turistas. Os guias são moradores locais e têm o maior orgulho da região. Por isso vão mostrar o que tem de melhor por lá. O percurso de lagoas é feito de acordo com a temporada. O guia escolhe as melhores lagoas da época. 

Os guias batem altas fotos legais. Eles têm muita criatividade. Entregue o celular pra eles e confie, com certeza vai sair uma foto ótima.

  Fotos do guia Neuton (Instagram @juniorneuton2)

No final da tarde, o guia escolhe uma duna alta para assistirmos ao pôr do sol (no caso, no passeio à tarde). Muitos grupos de muitas agências diferentes ficam nas dunas no pôr do sol, então o guia procura uma duna que não tenha muita gente. Como são muitas dunas, sempre tem um lugar legal pra todo mundo. Quando o sol se põe, a gente retorna para Barreirinhas. 

  Nosso guia foi o Neuton (Instagram @juniorneuton2)

 

No mês de julho e nos feriados as travessias das balsas costumam demorar um pouco mais que o habitual devido ao aumento do fluxo de visitantes. Eu fui em agosto e não peguei trânsito na balsa. A jardineira deixa cada hóspede em sua pousada.

** DICA: Prefira fazer esse passeio à tarde, porque de manhã o tempo amanhece bem nublado e à tarde o vento empurra as nuvens abrindo o céu. O sol aparece mais na parte da tarde. E tem o lance do pôr do sol, que é lindo!

** Leve água e um lanchinho rápido. Não pode consumir bebidas alcóolicas durante os passeios. 

 

Circuito Lagoa Bonita - Barreirinhas

Esse foi o passeio de Barreirinhas que eu mais gostei. Realmente esse circuito é maravilhoso.

Basicamente é bem parecido com o Circuito da Lagoa Azul, com pequenas diferenças. É um passeio de meio dia. Você pode escolher fazer de manhã ou à tarde. (8 às 13:30h) ou (12:30 às 19:30h). O valor do passeio compartilhado é 100 reais por pessoa. A agência manda a jardineira (camionete) passar na pousada para buscar os turistas. Na jardineira cabe cerca de 10 pessoas. A gente atravessa a balsa do Rio Preguiças com a camionete. Ao redor do pequeno porto tem lojinhas de souvenirs e comidas pra gente comprar se quiser, enquanto espera a balsa chegar. A travessia não demora muito, cerca de 15 minutos. 

O carro percorre cerca de 1 hora por uma estrada de areia tipo uma trilha (radical!). A gente sacoleja bastante, se prepare psicologicamente pra isso, rs. Essa estrada é mais longa um pouco do que a que leva até a Lagoa Azul. 

O carro chega a um estacionamento ao lado de um riacho, os turistas têm que atravessar a pé. Dali todos sobem uma duna altíssima, de 70 metros de altura através de uma escadinha de madeira. É uma subida íngreme e difícil.

A subida é difícil, mas vale a pena, porque a vista lá do alto é impactante, de tirar o fôlego mesmo. São várias lagoas lindas cercadas por dunas impressionantes. Uma visão pra guardar pra sempre na memória.

A linha que divide a vegetação das dunas é linda. A restinga é uma vegetação fechada com árvores baixas. A paisagem é maravilhosa, dunas e lagoas de um lado e restinga do outro.

  Fotos tiradas pelo nosso guia @thor.dos.lencois

 

Após essa subida, inicia-se uma caminhada de 20 minutos para conhecer as lagoas desse circuito que são: Lagoa do Clone (onde foi gravada a novela), Lagoa Bonita e Lagoa do Maçarico. A caminhada entre uma lagoa e outra é curta, cerca de 15 minutos. Não cansa, dá pra fazer numa boa. As paradas em cada lagoa são de uns 50 minutos mais ou menos. 

Como eu já disse antes, as lagoas têm nomes apenas para organizar os passeios. Esse circuito se chama Lagoa Bonita, mas na verdade o roteiro passa por várias dunas e lagoas sem nome. Pode ser que alguma lagoa famosa não esteja boa para entrar, mas a do lado esteja melhor. Então não se prenda a esse lance de nomes e confie nos guias, que são moradores locais e têm a experiência para mostrar o que há de melhor pra nós. O guia escolhe as melhores lagoas da temporada. 

Ao entardecer, o guia nos leva até uma duna alta para assistirmos ao pôr do sol (no caso do passeio à tarde). Muitos grupos de muitas agências diferentes ficam nas dunas - assim como nós - para ver o pôr do sol, então o guia procura uma duna que não esteja muito cheia. Como são muitas dunas, sempre tem um lugar legal pra todo mundo. 

O retorno para Barreirinhas é no início da noite. No final do passeio, a jardineira deixa cada hóspede em sua pousada.

Vou repetir o que eu disse no passeio da Lagoa Azul: No mês de julho e nos feriados as travessias das balsas costumam demorar um pouco mais que o habitual devido ao grande número de turistas. (Eu fui em agosto e não peguei trânsito na balsa) 

Prefira fazer esse passeio à tarde, porque de manhã o tempo amanhece bem nublado e à tarde o vento empurra as nuvens abrindo o céu. O sol aparece mais na parte da tarde. E poder assistir ao pôr do sol é demais de lindo!

Leve água e um lanchinho rápido. Não pode consumir bebidas alcóolicas nas dunas e lagoas dos Lençóis. 

 

Picnic ao entardecer e Passeio Noturno pelos Lençóis - Barreirinhas

Esse foi um dos passeios mais lindos que já fiz na vida...

É um passeio privativo, um roteiro incomum e certamente muito especial. Não é qualquer agência que faz. Esse passeio eu fiz com a agência Caetés Expedições (98)985148072, de Barreirinhas. Reserve com antecedência de pelo menos 1 semana, principalmente na alta temporada, senão não acha vaga.

Preço: 760 reais para uma pessoa. No nosso caso (casal) ficou 390 reais por pessoa.

Duração: das 16 às 21h.

Pudemos escolher entre Circuito da Lagoa Azul ou Circuito da Lagoa Bonita. Como achei super incrível o Circuito da Lagoa Bonita, escolhi esse último.

A jardineira nos buscou na pousada às 15:30h. Era uma pickup de cabine dupla e ar condicionado. Fomos na cabine com o guia e o motorista, o que evitou o perrengue que é ir lá trás na carroceria com o calor e com vento batendo na cara - como nos outros passeios coletivos que fizemos. (Eu falo assim mas os passeios coletivos são legais também viu! Eu fiz vários)

 Antes de atravessar a balsa, os motoristas esvaziam um pouco os pneus para melhorar a tração e dar mais aderência na areia.

 

  No porto da balsa tem um mapa dos Lençóis. Antes dos passeios os guias param ali para nos explicar o percurso que a gente vai fazer no dia. Esse foi o nosso guia @thor.dos.lencois

 

Atravessamos a balsa do Rio Preguiças, como nos outros passeios coletivos. Mas dessa vez, com uma jardineira só pra nós. Vantagens do passeio privativo: é mais caro sim, mas totalmente exclusivo e muito confortável. A estrada é a mesma da Lagoa Azul ou Lagoa Bonita, ou seja, 1 hora de estrada de areia, bastante irregular e que sacoleja bastante. Mas dentro da cabine o percurso ficou bem mais confortável.

Como só tinha eu e meu marido no passeio, a atenção do motorista e do guia era voltada integralmente para nós. Eles nos passaram muitas informações e curiosidades sobre os Lençóis que eu não tinha lido em blog nenhum (agora vai ter no meu!). Em passeios coletivos, com 10 ou 12 pessoas, os guias e motoristas têm que dividir a atenção e cuidados com todos. É muita responsabilidade né, não dá pra distrair nem um minuto e por isso, não podem dar a mesma atenção individual, ao contrário de um passeio privativo com menos pessoas.

Outra vantagem: a comodidade! Nós não precisamos subir a escada de madeira, daquela duna de 70 metros da entrada lembra? Nosso carro nos levou até a beira da lagoa, uma maravilha. 

Ficamos nadando por um tempo, tranquilamente numa lagoa totalmente deserta. Só tinha eu e meu marido! 

Enquanto aproveitávamos aquela lagoa só nossa, o guia e o motorista preparavam nosso pic nic, gente uma gracinha! Eles trouxeram na pick up mesinha, cadeiras e um lanche delicioso (incluído no preço do pacote). Tinha Guaraná Jesus (típico do Maranhão), suco de Bacuri com leite, doce de Buriti (frutas locais), pães, bolinhos, queijos... tinha bastante coisa gostosa. Gente, até jarra com florzinha eles colocaram, uma coisa mais fofa!

Então lanchamos durante o pôr do sol, com uma musiquinha ambiente que eles colocaram, um momento só nosso, indescritível, que eu nunca mais vou esquecer na vida.

O legal desse passeio é a exclusividade. A Lagoa Bonita costuma ficar lotada durante o pôr do sol porque os turistas dos passeios coletivos vão todos pra lá para assistir o entardecer. Então a Agência Caetés escolhe uma outra duna, alguma próxima dali que esteja completamente vazia. De longe dá pra ver as dunas ao redor cheias de gente. Mas como esse passeio é privativo, o carro pode entrar mais longe e nos levar para as áreas mais vazias do Parque dos Lençóis.

Após um espetacular entardecer, com aquele pôr do sol magnífico, perfeito e inesquecível, a noite começou a cair e as estrelas foram aparecendo. Com o farol do carro apagado e só com a ajuda de uma lanterna, começamos a admirar as estrelas. Dá pra ver a Via Láctea perfeitamente. Imagina essas dunas em dias de lua cheia, que maravilha!!!

Os guias dos Lençóis têm altas experiências em bater fotos sensacionais. O nosso guia daquele dia é famoso por lá (ele é chamado de Thor dos Lençóis). Ele foi perfeito nas fotos! E olha que tirar foto à noite não é fácil não hein. O danado usou apenas o celular. Meu telefone ficava praticamente na mão dele o tempo todo, porque eu confiava nas fotos que ele estava batendo.

Mas foto nenhuma retrata a real beleza que é ver tudo aquilo a olho nu.

Por volta das 20:30h retornamos à Barreirinhas. A vantagem de voltar bem mais tarde é que não pegamos trânsito (fila de jardineiras) para atravessar a balsa do Rio Preguiças.

** Esse passeio só é feito na alta temporada (junho a setembro). No inverno, quando chove muito, esse roteiro fica inviável.

** Eles também fazem o Café da Manhã nas dunas. Ao invés do pôr do sol, o turista assiste o nascer do dia. Mas como tem que acordar muuuito cedo pra gente estar lá nas dunas nesse horário, eu preferi mil vezes o entardecer. E não me arrependi pela escolha, principalmente pela oportunidade de observar das estrelas ao anoitecer.

 

Assista ao vídeo abaixo:

 

Único deserto úmido do mundo?

Os Lençóis Maranhenses costumam ser chamados de “o único deserto úmido do mundo”. Mas mesmo com a imensa quantidade de areia e a temperatura alta o ano inteiro, os Lençóis não podem ser considerados um deserto porque chove bastante nessa região. 

As chuvas se concentram no 1º semestre do ano. A pluviosidade é cerca de 2.000 no ano, maior até que em São Paulo, só pra gente comparar. As chuvas concentradas no início do ano são as grandes responsáveis por alimentar os lençóis freáticos que enchem as lagoas. A partir do segundo semestre, as chuvas na região diminuem bastante, mas as lagoas permanecem cheias até setembro. 

Como eu já disse acima: de junho a agosto é a melhor época para visitar os Lençóis, porque não chove quase nada, os dias são ensolarados e as lagoas estão super cheias. Em setembro elas começam a secar.

Ao pesquisar sobre os Lençóis, li que os cientistas costumam chamar essa região de "deserto" apenas durante os meses em que chove pouco ou quase nada (de outubro à fevereiro).

 

Santo Amaro do Maranhão e o vilarejo de Atins

Santo Amaro é a segunda cidade dos Lençóis mais procurada pelos turistas para se hospedar e fazer passeios. O vilarejo de Atins também recebe bastante visitantes. 

Para que esse post não ficasse muito pesado, eu dividi em duas partes. Na segunda parte falo em detalhes dessas duas cidades e dos passeios mais feitos em cada uma. Para ler CLIQUE AQUI

 

Como chegar

Para chegar aos Lençóis Maranhenses é uma aventura longa e cansativa (mas vale a pena!). Eu saí de São Paulo de manhã bem cedo e só cheguei na pousada à tardinha. Vou explicar por quê.

Depois de um voo de 3 horas e meia de São Paulo a São Luís, ainda é preciso pegar uma estrada (asfaltada, mas ruim e cheia de buracos) até Barreirinhas ou Santo Amaro. O percurso é de 250 Km e dura 4 horas e meia. Sim, depois de um voo longo, ainda tem uma estrada de 4 horas e meia pra encarar! Isso é que é querer conhecer os Lençóis hein!

A maneira mais econômica de fazer esse percurso entre São Luís e os Lençóis é de ônibus ou van compartilhada, mas ouvi vários relatos dizendo que é extremamente cansativo e desconfortável. 

Então eu optei por contratar um transfer privativo. É mais caro sim, porém com mais conforto, um carro novo, com ar-condicionado, que caiba minhas malas e com um motorista experiente que conhece bem a estrada e as paradas. Muitas agências de turismo fazem esse trajeto, as mesmas que a gente contrata para fazer os passeios pelas lagoas dos Lençóis. 

IMPORTANTE: Não vale a pena alugar um carro para fazer esse percurso! A estrada é ruim, e lá nos Lençóis só entram carros 4x4 autorizados. Então é melhor ir de transfer mesmo.

 

VALORES

Eu paguei 450 reais (do aeroporto de São Luís à Barreirinhas), 200 reais (de Barreirinhas à Santo Amaro) e 450 reais (de Santo Amaro à nosso hotel em São Luís) TOTAL R$1.000,00 reais de transfer privativo para mim e meu marido. Carro com bom porta-malas e ar condicionado.

Van compartilhada → 95 reais por pessoa. 

O valor do ônibus eu não cheguei a pesquisar. Só sei que vai de São Luís até a rodoviária de Barreirinhas.

 

Contato de motoristas que fazem o transfer privativo:

  • Sr.Regino (98)8768-8123
  • Domingos Transporte Privado (98)9141-3716

 

Como se locomover entre as cidades

De Barreirinhas à Santo Amaro são 95 Km, cerca de 1 hora e meia de estrada asfaltada e boa. Existe um passeio bate-volta de 1 dia saindo de Barreirinhas de jardineira (passeio coletivo), que passa o dia nas dunas de Santo Amaro e volta para Barreirinhas no final do dia. Então muita gente aproveita esse passeio como transfer para trocar de cidade, levando as malas e tudo. Aproveita o passeio durante o dia e ao invés de voltar para Barreirinhas no final do dia, já fica em Santo Amaro de uma vez. Isso também funciona no sentido contrário (de Santo Amaro para Barreirinhas) 

Além dessa maneira tem uber, e a jardineira que funciona como taxi (levando os nativos de uma cidade para outra). Tem turistas que usam também. 

De Barreirinhas à Atins, o meio mais fácil e prático é de barco pelo Rio Preguiças. Tem um passeio de 1 dia que sai de Barreirinhas, vai parando em alguns pontos até chegar em Caburé. De lá o barco volta para Barreirinhas. Mas tem muita gente aproveita para ir assim e fica lá de uma vez. De Caburé à Atins tem que pegar mais um barquinho, mas é fácil. É tipo uma travessia de balsa. 

Saindo de Barreirinhas para Atins tem também o passeio privativo que vai pelas dunas, sem passar pelo rio Preguiças. Mas chacoalha bastante, a estrada é de areia, uma trilha praticamente, e esse transfer é bem mais caro. 

Eu fui de Barreirinhas para Santo Amaro com o motorista privativo, o mesmo que me buscou no aeroporto de São Luís. Eu fechei com ele um pacote já incluindo todos os deslocamentos do período. De Barreirinhas à Santo Amaro nós pagamos 200 reais, carro sedan com bom porta malas e ar condicionado. 

Basta conversar na agência de turismo que estará te atendendo nos Lençóis que eles vão analisar a melhor maneira para sua transferência de uma cidade a outra.

Leia também:

São Luís, a Capital do Maranhão. É comum associar o passeio pelos Lençóis com uma visita à capital maranhense. Clique aqui para ler.

Outras cidades e passeios pelo Brasil

Ana Cassiano

Morei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.

MMorei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.orei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.