A Origem do Halloween

Choose the Language ↓ Escolha o Idioma

EnglishFrenchGermanSpainItalianDutch
RussianPortugueseJapaneseKoreanArabicChinese Simplified
 
 

A Noite de Samhain

Samhain é um nome gaélico. Era um ritual pagão super antigo (período neolítico) que comemorava a passagem do ano pelos celtas gauleses. Marcava o fim do verão (época das colheitas) e o início do inverno. Funcionava como uma espécie de calendário agrícola.

As pessoas comemoravam o Samhain com fogueiras e geralmente ao redor de algum círculo feito de pedras. Por isso que no Reino Unido existem várias dessas formações circulares. Muitas delas são pontos turísticos muito visitados, por exemplo o Stonehenge.

Ritual pagão é aquele que reverencia os elementos da natureza, como o sol, chuva, trovão, terra, água, fogo ou os planetas. No passado, eram rituais usados para agradecer as boas colheitas com muita dança, comida farta e bebida. Atualmente, alguns exemplos de festas consideradas pagãs são o Carnaval, o Halloween, Rodeios, Touradas e o próprio Natal.

A igreja por um tempo passou a perseguir os pagãos que praticavam essas cerimônias alegando que eram "festas do mal e da perversão". Então, para causar medo nos fiéis, espalhou-se ao longo dos anos a idéia de que "Pagão" era uma coisa errada e demoníaca. Praticar costumes pagãos, ou até mesmo pronunciar essa palavra, era absolutamente proibido, e virou um tabu. Mas hoje, com todos os estudos e informações disponíveis sobre o assunto, associar atos pagãos à coisas do Mal já caiu em desuso.

O Samhain era uma celebração bastante mística para os celtas. Há relatos em que durante o Samhain, os elfos podiam ser vistos pelos humanos, e que a fronteira entre o "Outro Mundo" e o "Mundo Real" não existia nesse dia. É como se abrisse um portal.

Na noite de Samhain, acreditava-se que as almas dos mortos retornavam a suas casas para visitar os familiares, em busca de alimento e o calor das lareiras. De acordo com as tradições da época, isso NÃO era coisa do mal, nem mesmo um culto aos mortos. Mas que foi erroneamente chamado de “Noite das Bruxas” e associado ao Halloween à partir do século 19. 

 

A Igreja e o Halloween

O Samhain durava três dias: 31 de outubro, 1 e 2 de novembro.  

A data em que os Cristãos comemoravam o Dia de Todos os Santos era 13 de maio. Mas em meados do século 8, o Papa Gregório III mudou a data para 1º de novembro, coincidindo com o período do Samhain. Ele determinou também que a celebração do Dia de Finados seria dia 2 de novembro, numa tentativa de "cristianizar" o Samhain. Isso fez com que as tradições pagãs e cristãs se misturassem. 

O nome Halloween deriva de "All Hallows' Eve". "Hallow" é um termo antigo para "santo", e "eve" é o mesmo que "véspera". O termo designava a noite anterior ao Dia de Todos os Santos, celebrado em 1º de novembro. 

Por isso que o Halloween é comemorado no dia 31 de outubro, pois é véspera do Dia de Todos os Santos, seguido do Dia de Finados (Dia dos Mortos), ou seja, mesma época do Samhain!

 

O Halloween não surgiu nos Estados Unidos

Ao contrário do que muita gente pensa, o Halloween NÃO tem suas raízes na cultura americana, mas sim no Reino Unido. No século 19 muitas pessoas da Inglaterra, Escócia e Irlanda migraram para os Estados Unidos, levando junto sua história e tradições. Não é coincidência que as primeiras referências ao Halloween apareceram na América pouco depois disso. Lá, “A Noite das Bruxas” era considerado um feriado britânico. 

Nessa época, as tradições do Dia das Bruxas nos Estados Unidos uniam brincadeiras comuns no Reino Unido rural com rituais de colheita americanos. O milho era uma cultura importante da agricultura americana e acabou entrando com tudo na simbologia característica do Halloween americano. Tanto que, no início do século 20, espantalhos - típicos de colheitas de milho - eram muito usados em decorações do Dia das Bruxas. 

Foi na América que a abóbora passou a ser sinônimo de Halloween. No Reino Unido, o legume mais esculpido era o turnip, um tipo de nabo. 

Uma lenda sobre um ferreiro chamado Jack que conseguiu ser mais esperto que o diabo e vagava como um morto-vivo, deu origem às luminárias feitas com abóboras que se tornaram uma marca do Halloween americano, marcado pelas cores laranja e preta.

 

Fantasias e Doces

Foi nos Estados Unidos que surgiu a tradição dos "doces ou travessuras". Pregar peças tornou-se um hábito à partir dos anos 1920. 

A tradição mais popular do Halloween, de usar fantasias e pregar sustos, veio após a transmissão pelo rádio de Guerra do Mundos, do escritor inglês H.G. Wells, que gerou uma grande confusão quando foi ao ar, em 30 de outubro de 1938. Ao concluí-la, o ator e diretor americano Orson Wells deixou de lado seu personagem para dizer aos ouvintes que tudo não passava de uma pegadinha de Halloween e comparou seu papel ao ato de se vestir com um lençol para imitar um fantasma e dar um susto nas pessoas. 

Hoje, o Halloween é o maior feriado não cristão dos Estados Unidos (superando o Dia dos Namorados e a Páscoa) como a data em que mais se vende doces e guloseimas.

** Fonte: BBC News, entre outras.

 

Outlander

Inspirada nos relatos e lendas do Samhain, a autora de Outlander escreveu a série que começa no círculo de pedras com fogueiras e celebrações Celtas. Na história, durante a Noite de Samhain abre-se um portal no tempo, em que as pessoas que já morreram transitam entre o passado e o presente. A série tem como pano de fundo a guerra entre Escócia e Inglaterra antes da formação do Reino Unido. É uma série muito boa, eu recomendo!

No dia do Halloween 2020, Sam Heugham - ator de Outlander - publicou em suas redes sociais: "Samhain. Hoje à noite, o limite entre esse mundo e a vida após a morte fica mais estreito e os espíritos podem atravessar... talvez por isso pareço tão pálido. Feliz Halloween para todos!"

Eu e minha família estivemos na Escócia fazendo uma viagem baseada no Roteiro da Série Outlander. Foi uma viagem incrível. Clique AQUI para ver

 

Castelo Frankenstein na Alemanha

Eu visitei o Castelo de Frenkenstein na Alemanha com minha filha Blog da Ana Cassiano

E por falar em Halloween, tive o "prazer" de passar essa data no Castelo de Frankenstein. SIM, ele existe mesmo! Foi esse castelo que inspirou a escritora Mary Shelley a escrever o livro sobre o terrível Monstro.

O Castelo Frankenstein fica na cidade de Mühltal na Alemanha, à 46 Km de Frankfurt. Clique AQUI para ler

 

Leia também:

Curiosidades sobre o Natal, uma festa pagã

Templo do Céu Pequim China, o maior templo do mundo é de comemoração pagã

Ana Cassiano

Morei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.

MMorei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.orei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.