Marrakech - Marrocos

Choose the Language ↓ Escolha o Idioma

EnglishFrenchGermanSpainItalianDutch
RussianPortugueseJapaneseKoreanArabicChinese Simplified
 
 

 

O Marrocos é um país que fica no Norte da ÁfricaA capital do Marrocos é Rabat, mas as cidades mais visitadas do país são Casablanca e Marrakech, onde fomos.

Estivemos em Marrakech por 6 dias. Fomos no mês de Dezembro (menos quente e menos seco).

  Chegamos pelo aeroporto de Menara.

 

O aeroporto de Menara é muito bonito. Tem uma arquitetura grandiosa e luxuosa. A estrutura de vidro no teto deixa muita luz passar, e estando dentro do aeroporto a gente pode ver o efeito impressionante que isso causa. 

 

Importante Saber

  • A Religião no Marrocos é o Islamismo. 99% da população é muçulmana. As pessoas param o que estão fazendo para fazerem as 5 orações diárias, com rezas que saem dos auto-falantes dos minaretes da mesquitas.

  • Vestimenta: Por ser um país muçulmano, vista-se adequadamente, com joelhos e ombros cobertos. Mantenha na bolsa um lenço grande para jogar nos ombros e cabeça quando necessário.

  • Mesmo nas piscinas nós vimos muitas mulheres usando burca. É cultural. Respeite.

  • A Moeda é o Dirham marroquino (1 Dirham = 0,60 centavos de Real). Mas lá eles aceitam Euro também.

  • A Língua falada no Marrocos é o árabe. Porém em Marrakech usa-se muito o francês também, por causa da importante rota de comércio desde muito tempo atrás. Então a gente vê muitas placas pela cidade escritas em árabe e em francês, mas nunca em inglês.

 

Leia sobre Dicas de Viagem para países de língua difícil clique AQUI

 

A Cidade Vermelha

Marrakech é chamada de cidade vermelha por causa da cor da areia do deserto e das suas construções em terracota. Ao longe avistamos as belas montanhas da Cordilheira do Atlas. 

   Foto da Internet**

Marrakech é uma cidade cheia de história, cultura, cores e obras-primas de arquitetura. É uma mistura de África, Europa e Oriente Médio. O Marrocos recebe influências das culturas berbere (afro-asiáticos), européia e principalmente árabe. 

Esse é o Rafiq, nosso guia no Marrocos. Ele me disse (em inglês) q seu nome em árabe significa “amigo gentil”

Marrakech é uma antiga cidade imperial, um importante centro econômico do Marrocos. A cidade possui mesquitas, palácios e jardins maravilhosos. Parece que estamos num filme!

O centro histórico é chamado de Medina, pois é cercado por uma muralha medieval que data do Império Berbere. A Medina é cheia de ruas que parecem labirintos e movimentados Souks (mercados árabes) espalhados por toda parte. O minarete mouro da Mesquita de Koutoubia fica no centro de tudo isso, uma maravilha! Vou falar agora sobre toda essa magia misteriosa que é estar em Marrakech.

 

A Medina

A Medina é o centro histórico de Marrakech, que é cercado por uma muralha rosada e toda furada (cheia de buracos). A Medina tem uma área de 600 hectares. Seu acesso se dá através de belos portões chamados de "Bab". 

Na Medina ficam as principais atrações de Marrakech. O legal é caminhar pelas ruas e becos e explorar as vielas, praças, mesquitas, lojas, casas de chás e restaurantes. A gente se sente em um labirinto.

Andar de carro ali é bem complicado. Na verdade não precisa. Dá pra fazer tudo à pé. Aliás, não alugamos carro nessa viagem. Fizemos tudo de taxi e a maioria das visitas foi a pé mesmo.

É tudo lindo, mágico, com uma beleza diferente. Há lojas de ervas, especiarias e temperos por todos os lados. Eles ficam em cones altos, meu Deus como não caem! 

As lojas de ervas também funcionam como farmácia e vendem o famoso e tão procurado óleo de Argan, milagroso para pele e cabelos.

Os tapetes típicos são vendidos estendidos nas ruas, expostos nas paredes.

Paramos para tomar o típico chá. Tudo deles é chá! É um país muçulmano, não se vende bebida alcoólica nas ruas (só turistas podem, e mesmo assim apenas dentro dos hotéis). As casas de chás nos servem com todo o ritual. É uma experiência bastante agradável.

Há mosaicos coloridos por toda parte, formando belíssimos desenhos nas paredes com painéis impossíveis de serem ignorados.

E as portas? Tem cada porta gente!!! Eu quase morri de tanto tirar fotos. Amoooo portas! Se pudesse eu traria na mala rs.

O centro da Medina é a movimentada praça Jemaa el-Fna, e é dela que vou falar agora.

 

Praça Jemaa el-Fna

É o coração da cidade, fica no centro da Medina. É um tradicional local de encontro de Marrakech, uma grande praça onde tudo acontece ao mesmo tempo. A Praça é patrimônio Mundial da Unesco.

A praça Jemaa al-Fna é um local muito movimentado em qualquer hora do dia. Nela acontece uma grande feira livre. Barraquinhas de comida misturam-se com encantadores de serpente, músicos e contadores de histórias.

Tem uns homens que jogam uns macaquinhos de coleiras em cima da gente (sem pedir!) e depois quase que exigem uma gorjeta por isso. Morro de dó dos animais, fico P da vida com esses caras, mas parece que é cultural infelizmente. Nem sei se tem jeito mais de combater isso por lá. Na verdade, o "encantamento" das serpentes também é uma forma de exploração animal né! Triste :(

A gente cruza a praça Jemma el-Fna várias vezes durante o dia enquanto passeamos pela cidade, porque ela fica bem no centro de tudo. Os terraços das casas de chá e restaurantes ficam lotados, principalmente no fim da tarde. À noite a praça vira uma festa, com muitos turistas e toda iluminada pelas barraquinhas que vendem lanternas de metal. Uma vibe incrível!

 

Passeio de Camelo

A primeira coisa que a gente pensa em fazer em um país árabe e com deserto por perto é andar de camelo, não é? Estando em Marrakech isso é possível na região do Palmeiral.

No século 12, ainda na época da construção da cidade, Ben Youssef começou uma plantação de palmeiras com sistema de irrigação subterrânea, onde hoje é o conhecido bairro Palmeiral. O local de 13.000 hectares possui mais de 100.000 palmeiras e não fica muito longe do centro da cidade (6 km).

Nós contratamos esse passeio na recepção do nosso hotel, mas há várias agências de turismo espalhadas pela cidade que oferecem esse serviço. Pagamos 170 reais por pessoa, com direito a van que nos buscou no hotel e nos levou de volta. Nesse site eles vendem o passeio de camelo no Palmeiral online com antecedência. Para ver → Clique AQUI

Chegando no Palmeiral, o nosso guia escolhe qual dono de camelo vai contratar. Ficam vários no local esperando para atender os turistas.

Eles nos vestem com uma roupa típica dos Tuaregs, utilizada por esses povos para se proteger do sol e do vento do deserto. Isso torna o passeio bem mais legal, adorei a experiência.

No video abaixo, mostro como se amarra o Hijab (lenço árabe típico). Eu não sabia como fazer, então o guia me ensinou, assista:

 

Assim que subimos nos camelos, nossa rota começou. A capacidade máxima é de uma criança e um adulto por camelo. O dono vai puxando o animal e nós vamos no lombo. O passeio dura 1 hora.

Andando pelo Palmeiral vimos não só palmeiras, mas também áreas bastante secas e desérticas. Passamos também por algumas aldeias locais. 

Confesso que depois de andar de camelo pelo deserto do Saara no Egito, esse passeio em Marrakech não me surpreendeu tanto. Mas se você nunca andou de camelo antes na vida, essa é uma boa oportunidade, não perca!

Assista ao video abaixo:

 

Hotéis, uma Experiência Turística

Em Marrakech existem dois tipos de hospedagem, os hotéis ou pousadas que ficam na Medina (centro histórico) ou os resorts mais afastados do centro da cidade. Na época, nós optamos por ficar em um resort mais afastado, por tudo o que ele oferecia em relação ao custo/benefício. Ficamos no Hotel Eden Andalou, que fica à 12 Km do centro de Marrakech (18 minutos de carro). O link do hotel é esse →Clique AQUI

Eu sempre achei que o clima de uma viagem ao Marrocos já começaria no hotel. Por isso escolhemos com cuidado onde iríamos ficar. Porque independente do lugar que você escolher (mais caro ou mais barato, mais afastado ou no centro) o mais importante é escolher um lugar que te faça sentir-se realmente num país árabe, seja através da ambientação, da decoração, da comida, música etc. Essa é a magia de visitar o Marrocos entende?

Tivemos uma experiência ótima nesse hotel. Amamos tudo. Foi uma estadia perfeita! Recomendo.

A decoração é tudo gente! Fala que nessa sala meu filho não ficou a cara do Aladim!

Aliás, eles levam esse lance de ambientação tão a sério, que é muito comum hotéis legais em Marrakech abrirem suas portas para visitação de não hóspedes também, para que outras pessoas possam usufruir das áreas comuns como restaurantes, piscinas, salas de banho etc. Tem que pagar uma taxa day-use e assim pode usufruir de tudo mesmo não sendo hóspede.

Muita gente ia passar o dia no hotel que ficamos hospedados. Tiravam fotos, almoçavam ou jantavam, viviam as experiências mesmo não sendo hóspedes, e no final do dia, íam embora. Pelo que vi, isso é muito comum de se fazer por lá. Realmente nosso hotel era lindo, uma decoração perfeita que deixava os ambientes incríveis.

Além desse hotel que ficamos hospedados, há outros resorts legais em Marrakech que também são procurados para esse day-use: o La Sultana e o Selman. Tem que entrar no site de cada um e consultar a taxa cobrada por dia.

 

No Marrocos não tem Natal

Nós estivemos em Marrakech na época de Natal. Porém, como o Marrocos é um país muçulmano, lá não se comemora essa data. O Natal é uma celebração importante para os cristãos, pois marca o nascimento de Jesus. Mas para os muçulmanos, o Natal não é uma data sagrada porque para eles Jesus Cristo foi apenas um profeta, e não o filho de Deus. 

Em cidades onde o turismo é grande e recebem muitos estrangeiros cristãos, os muçulmanos não são tão radicais e mantêm uma relação de respeito com essa data. Andando por lá, percebi que em vários lugares haviam decorações de Natal, principalmente árvores. Pude notar que os muçulmanos consideram o Natal como uma oportunidade comercial, então enfeitam (timidamente) alguns lugares, principalmente hotéis, restaurantes e shoppings. Porém é proibido montar presépios, ou seja, nada pode fazer referência ao nascimento do Menino Jesus. 

Na noite de 24 de Dezembro, nosso hotel ofereceu aos hóspedes estrangeiros uma festa de Natal singela, mas eu gostei bastante porque pelo menos a data não passou em branco pra nós. No restaurante eles prepararam um belo jantar que estava uma delícia. Teve música e uma apresentação teatral.

E no almoço do dia 25 de Dezembro eles prepararam um Tagine de Legumes, comida típica marroquina divina. 

Só para informação: As festas religiosas mais importantes para os muçulmanos são o Eid al-Fitr, que é a comemoração no fim do Ramadã ( final de Julho) e o Eid al-Adha, em que se comemora a obediência do Profeta Abraão à Deus (meados de Maio).

 

Entenda mais sobre a Religião Muçulmana clique AQUI

 

Tatuagem de Henna

Outra coisa que a gente não pode deixar de fazer no Marrocos é a tatuagem de henna. É um costume muito comum nos países do norte da África das mulheres adornarem partes do corpo em dias de casamentos e em outras cerimônias. Ahhh gente, é tão lindo!

Na praça Jemaa el Fna ficam várias mulheres locais oferecendo esse serviço às turistas. Para fazerem os desenhos artísticos nos nossos braços e mãos elas cobram baratinho (uns 15 dólares mais ou menos). É rápido, leva cerca de 30 minutos apenas.

A henna é um corante natural. Não causa alergias. A pasta fica em alto relevo sobre a pele até o final do dia. Tem que tomar cuidado pra não encostar na roupa senão mancha. Esse cuidado é só até secar.

Olha que linda a moça que nos tatuou. Olha os olhos dela! As muçulmanas têm um feitiço no olha impressionante.

No final do dia a gente toma banho e o excesso da pasta de henna sai com a água. Não pode esfregar muito, e assim a tatuagem dura 1 semana. Eu e minha filha ficamos muito felizes em poder fazer esse adorno exatamente estando em Marrakech. Combina tanto com o clima dessa viagem, vocês não acham?

 

Mesquita de Koutoubia

A Mesquita de Koutoubia fica no centro da Medina, bem em frente à praça Jemaa el-Fna. A mesquita tem um minarete (torre) de 69 metros de altura que a gente vê de longe. É o edifício mais alto de Marrakech. Não pode construir nada mais alto que ele na cidade. 

A Mesquita de Koutoubia é aberta apenas para muçulmanos. Nós turistas não podemos entrar, mas dá pra chegar bem perto dela pelo lado de fora da muralha e admirar a construção, que é muito bonita. 

Em frente à mesquita tem muitas árvores e palmeiras que formam um pequeno jardim chamado de Parque Lalla Hasna. Muita gente fica ali ao redor curtindo uma pausa e esperando o anoitecer. A mesquita à noite iluminada é muito bonita.

 

Os Souks - Mercados

Uma coisa imperdível de se fazer em Marrakech é caminhar pelos mercados chamados Souks. Há vários deles espalhados pela cidade, mas os melhores ficam nos arredores da Praça Jemaa el-Fna. A maioria dos Souks ficam em galpões cobertos e o nome de cada mercado fica em uma placa logo na entrada.

Há tempos atrás, os souks só vendiam artesanatos originais como artigos em prata, cerâmicas, tapeçaria, jóias, echarpes e lanternas de metal. Mas hoje em dia tem muitos produtos chineses no meio, uma pena. Coisas da globalização, fazer o quê né! De qualquer forma, os Souks de Marrakesh são um ótimo local para comprar souvenirs. Eu comprei vários echarpes lindos. Para tudo tem que barganhar! Essa é a parte legal desses mercados, praticar a arte da barganha.

 

Túmulos Saadianos

Os Túmulos Saadianos é um mausoléu coletivo onde estão sepultados cerca de 60 membros da dinastia saadiana que reinou no Marrocos nos séculos 16 e 17. O edifício foi construído durante o reinado de Amade Almançor. 

O mausoléu foi descoberto em 1917 e foi restaurado pelo serviço de Belas-Artes do Marrocos. É uma das principais atrações turísticas de Marrakech. O prédio é considerado uma jóia arquitetônica da Medina e é tombado pelo Patrimônio Mundial pela UNESCO. 

O complexo está dividido em três partes. A galeria principal é o Hall das Doze Colunas, onde estão sepultados reis, príncipes, conselheiros, esposas e filhos. Os túmulos foram todos feitos com mármore italiano de Carrara, colunas folheadas a ouro e ornamentos esculpidos em cedro.

No exterior há um jardim e um pequeno cemitério onde estão sepultados soldados e servos da família real. 

O complexo fica aberto todos os dias de 9h às 17h, e a entrada custa 6 euros por pessoa. 

 

Palais de la Bahia

Construído no final do século 19 pelos melhores artesãos marroquinos e andaluzes, o Palácio Bahia é uma das obras de arquitetura mais importantes de Marrakech. O Palácio fica na Medina (centro histórico) e seu nome significa "brilho". 

Os jardins do palácio ocupam uma área de 8000m² e as 150 divisões abrem-se para diversos pátios internos. O palácio funcionou como um harém e o pátio maior era rodeado pelos quartos destinados às concubinas. 

Além dos pátios com fontes, o edifício é um labirinto cheio de ornamentos em mármore, tetos e portas em cedro belíssimos. 

O palácio é administrado pelo Ministério da Cultura do Marrocos. Serve como museu, centro cultural, local para exposições de arte e concertos, principalmente de música árabe-andalusiana. O palácio pode ser visitado durante todo o ano, exceto durante os períodos em que serve de residência temporária da família real, o que geralmente ocorre durante os meses de inverno.

O Palais de la Bahia fica aberto todos os dias de 9h às 17h e a entrada custa 1 euro apenas.

 

Mesquita de Moulay al-Yazid

A Mesquita de Moulay al-Yazid também chamada de Mesquita Kasbah, é uma mesquita de sexta-feira construída pelo califa almóada Yaqub al-Mansour em 1185. Como o próprio nome diz, só funciona nesse dia da semana e não é aberta para turistas. Fica na Praça Moulay el Yazid bem ao lado do Palais de la Bahia. 

Assim como a Mesquita de Koutoubia, a Moulay al-Yazid é uma das mesquitas históricas mais importantes de Marrakech. É belíssima, mesmo podendo ser admirada apenas por fora. 

Os arcos no lado sudoeste da mesquita que ficam virados para a praça acomodam lojas de produtos típicos. 

A torre (ou minarete) é lindíssima. Ela é toda coberta por um padrão sebka entrelaçado que se assemelha a palmeiras ou flor-de-lis esculpidas em tijolo, e os espaços entre elas é preenchido com cerâmica verde. Uma maravilha!

 

Bairro Guéliz

O bairro Guéliz fica fora das muralhas da Medina. É o bairro mais moderno de Marrakech, com shoppings, restaurantes, lojas e grandes avenidas. É uma região "ocidentalizada". Nessa região o que se destaca é o belo prédio do Théâtre Royal e a Gare de Marrakech (Estação de Trem). 

A Gare de Marrakech (Estação de Trem) é linda, com a fachada toda trabalhada formando desenhos geométricos.

Nessa região fica também a Praça da Liberdade, uma grande rotatória que dá acesso à avenidas importantes e por isso dá muito trânsito.

 

Faltou Fazer

Duas coisas que não deram tempo para eu fazer em Marrakech nessa viagem (eu lamentei bastante) mas super recomendo que você faça. Eu pretendo um dia voltar pra isso:

  • Visitar o Museu Yves Sant Laurent

  • Dormir em tendas no meio do Deserto de Merzouga

 

Leia também:

Dicas de viagem para países de língua difícil

Entenda um pouco mais sobre a Religião Muçulmana

Ana Cassiano

Morei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.

MMorei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.orei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.