A Religião Muçulmana

Choose the Language ↓ Escolha o Idioma

EnglishFrenchGermanSpainItalianDutch
RussianPortugueseJapaneseKoreanArabicChinese Simplified
 
 

Depois de visitar vários países muçulmanos, me interessei bastante por essa religião. Eu quis entender melhor sobre ela e fiz uma pesquisa sobre isso. Eu queria ter certeza de que o islamismo, em sua essência, não é uma religião violenta. A gente sempre associa os atentados terroristas à essa religião, não é mesmo?

Osama bin Laden, por exemplo, era um chefe muçulmano e isso disseminou no ocidente uma idéia muito negativa à respeito do Islã. Mas a grande maioria dos muçulmanos são completamente contra esses líderes políticos radicais, que geram violência à partir de uma religião que só quer ser pacífica. 

E se a gente parar pra pensar, historicamente está provado que o judaísmo e o cristianismo também foram tão violentos e sangrentos quanto, mas esse não é tópico em questão.

O islamismo pode parecer bastante exótico aos nossos olhos ocidentais, mas a base é a mesma do judaísmo e do cristianismo. Tanto a bíblia como o Corão narram a vida dos mesmos personagens fundadores: Noé, Abraão, Isaac, Ismael, José, até chegar em Jesus. 

Bem, chegando em Jesus, as crenças se dividem...

Para os muçulmanos, Jesus não é filho de Deus, e sim um profeta. O profeta mais importante que todos os outros. O Islã não aceita sua crucificação. Tudo não teria passado de uma ilusão, já que Jesus teria subido aos céus em seu corpo físico. Então, para a religião muçulmana, Jesus não morreu, e esse foi mais um milagre que Deus concedeu a ele por ser o importante profeta que era. Eles acreditam que no final dos tempos, Jesus voltará à terra para derrotar o anticristo e governar o mundo por 45 anos. Em sua segunda vinda, ele se casará, gerará filhos e morrerá como um ser humano normal.

Já Maomé tem no Corão a importância que Jesus tem para os cristãos na Bíblia. Foi o profeta iniciador do islamismo. Teve uma infância cheia de dificuldades, permaneceu analfabeto até aos 40 anos, quando começou a ser visitado pelo anjo Gabriel. Eles chamam de "Revelação" esses encontros de Maomé com o anjo, quando lhe foi atribuído a missão de levar adiante a palavra de um Deus único, pois naquele tempo acreditava-se na existência de vários deuses (na Grécia, por exemplo).

 

Por que os muçulmanos oram 5 vezes ao dia?

À pedido do judeu Moisés, Maomé foi ao Paraíso - sim, de acordo com a religião, ele esteve lá quando vivo - para negociar com Deus o número de orações diárias a serem feitas pelos muçulmanos. Deus (que pra eles é "Alá") queria que eles rezassem 50 vezes ao dia! Moisés achou que o povo seria incapaz de cumprir tal mandamento e pediu pra Maomé voltar ao Paraíso e pedir ao Senhor que aliviasse um pouco a obrigação para seu povo. Deus então o liberou de 10 oraçães. Moisés ainda achou muito e disse: "- Volte lá e peça nova redução!" Isso se repetiu por outras tantas vezes, até que Maomé voltou e disse: "- Meu Senhor manda que meu povo ore 5 vezes ao dia." Moisés tornou a insistir que o fardo seria grande, mas Maomé se recusou a voltar ao Paraíso novamente, alegando ter vergonha de pertubar Deus tantas vezes. E assim ficou estabelecido um dos pilares principais do islamismo: as cinco orações diárias. 

As mesquitas possuem torres (ou minaretes) cheios de auto-falantes, cuja função é fazer chegar mais facilmente aos fiéis a voz do Muezim (encarregado, no Islã) que chama os fiéis para as cinco orações diárias. 

O chamamento consiste em proferir frases do tipo “Allah hu Akbar” (Alá é grande) e outras frases religiosas, em forma de melodia. Os muçulmanos que podem parar o que estão fazendo no momento, se ajoelham na direção de Meca, e oram. Cada chamamento das mesquitas dura uns 25 minutos. Imagine isso 5 vezes ao dia, e todas as mesquitas ao mesmo tempo!

Assista o video abaixo onde mostro como é a cantoria das mesquitas:

 

Vertentes do Islamismo

As duas vertentes do islamismo, os SUNITAS e os XIITAS nasceram à partir da sucessão de Maomé. Para os SUNITAS, o profeta não indicou seu sucessor e o que resta a fazer é apenas seguir os mandamentos deixados por ele. Para os XIITAS, Maomé foi sucedido por um primo (o Ali) e que a "Revelação" ainda guarda segredos ocultos a serem desvendados por outros sucessores.

Dessa divergência entre SUNITAS e XIITAS dentro do Islã vieram as terríveis brigas entre o povo muçulmano, cujo lado mais apavorante é infelizmente o terrorismo. Apesar dessa divisão interna do Islã, a concepção de que se trata de uma religião movida pelo ódio é fruto da ignorância ocidental e os seguidores do "lado do mau" são uma pequena minoria. Estes são os radicais islâmicos e é preciso combatê-los, para a sobrevivência do próprio Islã!

 

Não tem Natal

Quando eu e minha família visitamos Marrakech, era época de Natal. Porém, como o Marrocos é um país muçulmano, lá não se comemora essa data. O Natal é uma celebração importante para os cristãos, pois marca o nascimento de Jesus. Mas para os muçulmanos, o Natal não é uma data sagrada porque para eles Jesus Cristo foi apenas um profeta, e não o filho de Deus. 

Em cidades onde o turismo é grande e recebem muitos estrangeiros cristãos, os muçulmanos não são tão radicais e mantêm uma relação de respeito com essa data. Andando por lá, percebi que em vários lugares haviam decorações de Natal, principalmente árvores. Pude notar que os muçulmanos consideram o Natal como uma oportunidade comercial, então enfeitam (timidamente) alguns lugares, principalmente hotéis, restaurantes e shoppings. Porém é proibido montar presépios, ou seja, nada pode fazer referência ao nascimento do Menino Jesus. 

Na noite de 24 de Dezembro, nosso hotel ofereceu aos hóspedes estrangeiros uma festa de Natal singela, mas eu gostei bastante porque pelo menos a data não passou em branco pra nós. No restaurante eles prepararam um belo jantar que estava uma delícia. Teve música e uma apresentação teatral.

E no almoço do dia 25 de Dezembro eles prepararam um Tagine de Legumes, comida típica marroquina divina. 

Só para informação: As festas religiosas mais importantes para os muçulmanos são o Eid al-Fitr, que é a comemoração no fim do Ramadã (final de Julho) e o Eid al-Adha, em que se comemora a obediência do Profeta Abraão à Deus (meados de Maio).

 

Leia também:

Istambul e seus Pontos Turísticos

Nossa viagem por Marrakech

Ana Cassiano

Morei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.

MMorei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.orei na Alemanha por 8 anos. Já visitei vários países de continentes diferentes. Sou Guia de Turismo em São Paulo, Escritora de Viagens e Colaboradora de Sites de Turismo.